A perda de dentes é o segundo fator que mais prejudica a qualidade de vida de pessoas entre 45 e 70 anos, segundo dados de pesquisa que ouviu 600 latino-americanos, entre eles 151 brasileiros. O estudo Percepções Latino-americanas sobre Perda de Dentes e Autoconfiança, feito pela Edelman Insights, destaca ainda que, para 32% dos entrevistados, a perda de dentes os impede de ter um estilo de vida saudável e ativo.

De acordo com o estudo, no Brasil, 39 milhões de pessoas usam próteses dentárias, sendo que uma em cada cinco delas tem entre 25 e 44 anos. A pesquisa ressalta ainda que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente e 41,5% das pessoas com mais de 60 anos já perderam todos.

Segundo a pesquisa, 52% dos entrevistados disseram que a perda de dentes deixou a aparência do seu rosto pior; 43% afirmaram que a perda de dentes lhes atrapalha namorar ou paquerar; e 21% disseram que a condição lhes impediu de fazer novos amigos. Sobre autoestima e fala, 38% dos entrevistados manifestaram se sentirem mais inseguros para ir a festas e eventos sociais; e 41% relataram mais dificuldade na pronúncia das palavras após a perda de dentes.

“É preciso compreender as dificuldades enfrentadas pelas pessoas que perderam os dentes e ajudá-las a encontrar um bom especialista que as auxilie na escolha de uma prótese adequada, de boa qualidade. O objetivo é que os pacientes tenham acesso à informação e conheçam os melhores produtos disponíveis no mercado para confecção, fixação e limpeza da prótese”, destacou a odontogeriatra Tânia Lacerda, integrante da Câmara Técnica de Odontogeriatria do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo.

 

Problemas que a falta de dengues pode causar:

Digestão ruim – Você sabia que a digestão tem início na boca? Cada dente tem uma função específica – os incisivos, por exemplo, cortam a comida; os caninos, rasgam; e os posteriores (molares e pré-molares), trituram os alimentos. Quando há falta de um ou mais dentes, a digestão na boca não consegue ser completa e os restos de comida chegam em pedaços maiores ao estômago, o que compromete a absorção adequada de nutrientes. O indivíduo que não possui todos os dentes pode apresentar deficiência nutricional, o que abala o seu sistema imunológico.

Escolha de alimentos – A falta de dente obriga a pessoa a selecionar alimentos, excluindo aqueles que exigem um esforço maior de mastigação, como os fibrosos. Isso também pode ter impacto na saúde do organismo, pois muitos alimentos saudáveis deixam de ser consumidos.

Dicção prejudicada – Dependendo da posição do dente ausente na arcada, é possível ficar também com a dicção comprometida. Isso porque os músculos da boca, a língua e os dentes trabalham em conjunto para a produção da fala e, se algo não vai bem nesse sistema, ela pode ser prejudicada.

Gengiva machucada – A gengiva fica desprotegida quando há ausência de um dente e pode ficar machucada na hora da alimentação, por conta de um alimento mais duro, ou até mesmo na limpeza bucal, no contato com a escova de dente. Isso pode ser bastante dolorido e causar inflamações e feridas.

Deslocamento – Na falta de um ou mais dentes, os outros, para compensar essa ausência, tendem a se movimentar, causando desalinhamento e até problemas de mordida e assimetria facial – já que pode haver mais pressão em um dos lados da mandíbula. Tudo isso, além de prejudicar a mastigação, dicção e até a respiração, pode trazer prejuízos estéticos.

Perda óssea – Quando perdemos um ou mais dentes, o corpo entende que aquela estrutura óssea de sustentação não é mais necessária e, com o tempo, faz sua reabsorção, o que caracteriza a perda óssea dentária. Ao perder um dente, o paciente deve procurar o quanto antes o dentista para a colocação do implante dentário.

Mudança de fisionomia – A perda óssea ocasionada pela falta de dente é responsável ainda pela flacidez muscular da face – uma situação que, com o passar do tempo, altera a fisionomia do indivíduo e confere um aspecto mais envelhecido na aparência.

Dores na ATM – Na hora da mastigação, as pessoas que não possuem um ou mais dentes tendem a forçar um lado da arcada mais que o outro, o que pode gerar problemas na articulação temporomandibular (ATM), estrutura que liga o maxilar ao crânio. Esse quadro pode ocasionar dores de cabeça, no pescoço, nas costas e no ouvido.

Baixa autoestima – A falta de dente afeta em cheio a aparência, principalmente se o espaço é na parte anterior da arcada. Esse comprometimento estético gera insegurança e problemas na autoestima.