COTIDIANO

Orçamento aprovado

12 de dezembro de 2017 às 10:51
Publicidade

Os deputados aprovaram na sessão plenária de ontem na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), o projeto de lei nº 579/2017 – a Lei Orçamentária Anual (LOA), de autoria do Poder Executivo, que estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro do ano de 2018. A matéria recebeu 35 votos a favor e nove contra, no primeiro turno de votação. As receitas para o próximo ano serão de R$ 59,7 bilhões.

A execução orçamentária em Educação será de 30%, equivalente a R$ 8,505 bilhões; em Saúde a vinculação prevista de 12% representa R$ 3,401 bilhões; e para a Segurança Pública o Poder Executivo vai destinar R$ 3,795 bilhões. Já para o Poder Legislativo, o repasse será de 5% (sendo 3,1% para a Assembleia Legislativa e 1,9% para o Tribunal de Contas); para o Poder Judiciário estão previstos 9,5%; e 4,1% ao Ministério Público estadual.

Das 1.435 emendas apresentadas ao Orçamento pelos parlamentares, no Legislativo, o relator na Comissão de Orçamento, deputado Elio Rusch (DEM), acatou 1.365, especialmente emendas às despesas previstas, emendas programáticas, emendas ao texto do projeto e emendas coletivas, num total de 95% de aproveitamento das proposições dos deputados à LOA.

Defensoria Pública

Além da LOA, outros projetos foram discutidos e aprovados, entre eles um o projeto complementar nº 11/2017, de autoria da Defensoria Pública, que acrescenta e altera dispositivos da Lei Orgânica do órgão, foi aprovada em segunda discussão após receber 42 votos favoráveis. O projeto prevê a criação de uma nova assessoria ao defensor público-geral, mais uma Subdefensoria Pública-Geral e as respectivas chefias de gabinete das Subdefensorias. Na justificativa, a Defensoria afirma que foi verificada a necessidade de adequar a legislação vigente às demandas atuais da instituição, que expandiu seus serviços de forma substancial nos últimos seis anos.

Créditos

O projeto de lei nº 557/2017, de autoria do Poder Executivo, tratando de remissão dos créditos tributários decorrentes de fatos geradores do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) ocorridos até 31 de dezembro de 2011, ajuizados ou não, e até 31 de dezembro de 2012, não ajuizados, além de outras providências, foi aprovado em redação final. Agora, a matéria segue para sanção, ou veto, do Poder Executivo.

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE