m1046399.jpgHAVANA – O ministro da Economia de Cuba, Marino Murillo anunciou medidas de austeridade como parte do esforço do país para reformar sua economia. A fala, feita a portas fechadas na Assembleia Nacional, foi publicada ontem na imprensa estatal. Entre as mudanças está a redução de gastos com eletricidade e de 28% do consumo de combustíveis.

As medidas colocarão a economia, dependente de impostações, em terreno negativo, apesar da alta no turismo devido a uma reaproximação dos EUA. A economia cubana cresceu apenas 1% no primeiro semestre de 2016, após avançar 4% em 2015, de acordo com o governo.

?Tínhamos previsto uma importação para gerar a meta de crescimento da economia, que era de 2%, de US$ 14,416 bilhões. Com os ajustes, ficaríamos em US$ 11,973 milhões?, disse Murillo. Isso representa uma redução de 15%.

Murillo informou que 17% dos investimentos previstos para este ano ficarão suspensos, o mesmo acontecerá com créditos não executados de governos, bancos ou fornecedores para comprar bens.

O ministro se esforçou para explicar que os cortes de eletricidade serão seletivos, por exemplo, evitando afetar o consumo e a disponibilidade de eletricidade para o setor residencial, ainda que haja uma redução de 50% na iluminação pública.

O presidente Raúl Castro disse na sexta-feira, também na Assembleia Nacional, que a queda nos preços das commodities golpeou as exportações cubanas, enquanto as receitas com a venda de serviços profissionais a países produtores de petróleo também foram afetadas.