Paris – Luka Modric completou sua temporada dos sonhos com mais um prêmio. Depois de conquistar o tricampeonato da Champions League sendo camisa 10, peça fundamental e um dos destaques do Real Madrid, e chegar na final da Copa do Mundo com a Croácia sendo o capitão, craque e grande nome de sua seleção, o meio-campista, que já tinha ganho o The Best e o Goal 50, foi coroado o melhor jogador de futebol do mundo ganhando também a Bola de Ouro, segunda-feira, em Paris.

A premiação de Modric é polêmica. O craque teve desempenho excepcional, mas passou longe de ter os números de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi que, de forma absurda, são cobrados em insistência insana.

Talvez por isso, Modric disse que os prêmios individuais em 2018 não são apenas dele, mas também do futebol e dos meio-campistas “derrotados” no passado recente.

“Talvez, no passado, tenha havido jogadores que poderiam ter vencido a Bola de Ouro, como Xavi, Iniesta ou, não sei, Sneijder, mas não aconteceu. Agora, finalmente, as pessoas queriam procurar algo de diferente”, disse Modric, lembrando que o futebol não é apenas gols.

“Penso que é uma vitória para o futebol. Estou feliz por ser o vencedor, mas este prêmio é para todos aqueles jogadores que, provavelmente, mereciam ganhar, mas não ganharam”, concluiu o croata.