A reportagem do jornal Hoje News recebeu uma denúncia de que um servidor da Guarda Municipal de Cascavel que estaria de atestado acabou se envolvendo em uma confusão em uma tabacaria no último dia 21 de novembro, quando teria realizado um disparo com a arma que pertence ao Município de Cascavel.

Segundo informações, o servidor estava de atestado, afastado do serviço há mais de 30 dias para cuidar da esposa que está doente e estava realizando “bico” em uma tabacaria localizada na Avenida Brasil quando teria se envolvido na confusão com um grupo de pessoas. Durante a confusão, o GM teria agredido duas pessoas e quando o grupo teria tentado conter o homem, ele teria sacado a arma e realizado um disparo para o alto.

Uma das vítimas chegou a registrar um Boletim de Ocorrências da Polícia Civil, que está investigando o caso. A reportagem do Hoje News teve acesso ao documento. Segundo as informações que constam no BO, um grupo de amigos estava em frente ao estabelecimento, quando o Guarda Municipal foi até eles pedindo para que saíssem do local. Os membros do grupo teriam alegado estar em via pública e que iriam continuar ali. Neste momento, o Guarda Municipal teria começado a xingar e agredir um dos membros do grupo, então a namorada do rapaz que estava sendo agredido, entrou na frente e também foi agredida com um tapa na cabeça e um chute na barriga.

Outro indivíduo estava filmando a ação e quando o GM percebeu, o empurrou. Os envolvidos juntamente com amigos ainda teriam tentado conter o GM, momento em que ele sacou de uma arma de fogo e efetuou um disparo para o alto.

Na Corregedoria

A denúncia também chegou à Comissão de Segurança Pública e Trânsito da Câmara de Cascavel, que encaminhou um ofício à Corregedoria da Guarda Municipal para apurar a situação. Segundo Antonio Volmei dos Santos, secretário municipal de Política Sobre Drogas e Proteção à Comunidade, a Corregedoria da Guarda já ouviu as partes envolvidas. O secretário afirmou que os servidores da GM são orientados a não utilizarem a arma do Município fora do serviço.

O servidor acusado alega que realizou o disparo com uma arma particular e não com a arma disponibilizada pelo Município. A Corregedoria da GM instaurou um procedimento administrativo para apurar a conduta do profissional.

Ainda, de acordo com Volmei, a arma que o Guarda Municipal utilizava em serviço e também os projeteis foram recolhidos. Contudo, foi verificado que três projeteis haviam sido disparados e que não houve apresentação de justificativa para os disparos, situação essa que também será apurada pela Corregedoria.

Lei proíbe uso de arma

A Câmara de Cascavel aprovou no dia 4 de novembro uma lei que proíbe que servidores ocupantes do cargo de Guarda Municipal portem armas de fogo pertencente ao patrimônio público quando não estiverem em serviço, no desempenho das funções, contudo, a nova lei ainda não foi sancionada pelo prefeito Leonaldo Paranhos.