Governo recua e não vai antecipar o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial

Pagamento seria feito nesta quinta; Ministério da Cidadania diz que faltam recursos

Após anunciar com orgulho a antecipação do pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 na segunda-feira, agora o governo voltou atrás e não vai mais pagar os trabalhadores informais nesta quinta-feira (23), conforme tinha anunciado a Caixa Econômica Federal. Em nota, o Ministério da Cidadania informou que faltam recursos no orçamento para fazer a antecipação do benefício e que será preciso aprovar um crédito suplementar.

Quando usar máscara de pano

Segundo a nota, as três parcelas do auxílio vão exigir um desembolso de R$ 32,7 bilhões cada uma e que já foram transferidos para a Caixa R$ 31,3 bilhões. Além disso, um contingente de 12 milhões de trabalhadores ainda nem recebeu a primeira parcela.

O cronograma de pagamento da segunda parcela, previsto para começar amanhã (23) e seguir até quarta-feira (29), agora só será anunciado em maio, segundo a nota.

O Ministério menciona ainda que foi alertado pela CGU (Controladoria-Geral da União) sobre a questão orçamentária.

“Tanto o Ministério da Cidadania quanto a Caixa manifestaram seu desejo de antecipar o pagamento da segunda parcela. No entanto, devido ao alto número de informais cadastrados e a determinação do governo em não deixar ninguém para trás, todas as expectativas foram superadas e tornou-se imperativo solicitar crédito suplementar para poder completar o atendimento a todos”, diz a nota, acrescentando: “O Ministério da Cidadania produziu nesta data uma nota técnica e já solicitou ao Ministério da Economia a previsão para uma suplementação orçamentaria o mais rápido possível. Em virtude disso, por fatores legais e orçamentários, pelo alto número de requerentes que ainda estão em análise, estamos impedidos legalmente de fazer a antecipação da segunda parcela do auxílio emergencial”.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

18 + 13 =