Foz do Iguaçu – Em reunião com ampla representatividade nessa quarta-feira (30), autoridades e líderes do Brasil e do Paraguai avançaram na definição de medidas integradas para a reabertura da Ponte Internacional da Amizade, fechada desde 18 de março. A data da retomada do trânsito e das atividades econômicas fronteiriças será determinada pelos presidentes dois países vizinhos.

Promovido pelo Codeleste e pelo Codefoz, conselhos de desenvolvimento que atuam na fronteira, o diálogo reuniu a diretora nacional de Migração do Paraguai, Ángeles Arriola; o vice-ministro do Interior do país vizinho, Euclides Acevedo; o governador de Alto Paraná, Roberto González; e os prefeitos de Cidade do Leste e Foz do Iguaçu, Miguel Pietro e Chico Brasileiro, respectivamente. Também participaram representantes de entidades da sociedade civil organizada, órgãos municipais, estaduais e federais brasileiros e paraguaios.

“Estamos trabalhando em conjunto para acordar como vai funcionar a reabertura da Ponte da Amizade e os cuidados sanitários que deverão ser implantados para termos todas as regras definidas previamente”, informou Ángeles. “Para nós, a decisão sobre a reabertura é iminente e será tomada entre os presidentes do Paraguai e do Brasil”, pontuou.

Gradual e segura

Presidente do Codeleste, Linda Tayen relatou que as autoridades dos dois países pactuaram, na reunião, que a reabertura da ponte deverá ser gradual e segura, iniciando pelo trânsito a moradores da fronteira. “Em seguida, serão feitas avaliações para ampliar esse acesso, evoluindo até a reabertura total.”

Segundo ela, ficou acordado que o controle sanitário de quem atravessar a fronteira será intensificado nas cidades fronteiriças. “Um documento comum será divulgado com os compromissos das duas cidades para esse trabalho integrado”, frisou.

Prefeituras

O fortalecimento da rede de atendimento à saúde também foi preocupação destacada pelo prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro. Ele afirmou que o planejamento integrado para a reabertura da ponte deve ir além da definição dos protocolos sanitários, incluindo um plano assistencial. “Não dá para fazer a abertura colocando em risco o sistema assistencial, pois pagaríamos um preço muito alto e a imagem da fronteira seria prejudicada”, enfatizou.

O prefeito de Cidade do Leste, Miguel Prieto apresentou uma radiografia da oferta de leitos hospitalares no Município e reiterou o comprometimento da administração com a realização de controle e fiscalização sanitária no município. Ele também defendeu que o acesso à Ponte da Amizade seja simplificado, sem excesso de burocracia. “Nós nos comprometemos em colocar todas as forças para realizar um controle rigoroso das questões sanitárias em shoppings, comércios e lojas”, ressaltou Miguel. “Hoje, estamos mais preparados com nossa estrutura de saúde, com grande parte das vagas em leitos na cidade desocupada”.