O prefeito Chico Brasileiro assinou nesse domingo (10), ao lado do governador Ratinho Junior, um decreto que confirma a adesão de Foz do Iguaçu às campanhas Race to Zero e Race to Resilience da Organização das Nações Unidas (ONU) para o desenvolvimento sustentável. O ato ocorreu durante a abertura da Semana do Paraná, evento realizado no Pavilhão Brasil da Expo Dubai 2020.

“Hoje (10), nos Emirados Árabes Unidos, juntamente com o Governo do Estado e outros Munícipios, assumimos um compromisso do Paraná com as diretrizes dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) perante representantes da ONU”, destacou Chico Brasileiro. O prefeito representa Foz do Iguaçu numa das principais feiras do turismo mundial.

“Neste primeiro dia de agenda oficial, o potencial turístico – principalmente de Foz do Iguaçu – e produtivo de toda a região Oeste do Paraná já foi tema dos encontros, nesta que é a maior feira de turismo e negócios do mundo”, ressaltou Chico Brasileiro. A feira, aberta no final de semana, prossegue até abril de 2022.

Projeção

A assinatura do decreto para desenvolvimento sustentável integra a missão técnico-comercial Paraná Business Experience, formada por agentes públicos e privados para atrair novos investimentos ao Estado a partir de oportunidades de negócios geradas durante a Expo Dubai 2020.

“O Paraná tem um compromisso com o desenvolvimento sustentável. Hoje, nos alinhamos a um movimento mundial promovido pelas Nações Unidas que promove ações para conter o aquecimento global”, disse o governador. A intenção, segundo Ratinho Junior, é alcançar as metas intensificando ações de descarbonização e assim atrair investimentos para negócios sustentáveis e a criação dos chamados ‘empregos verdes’.

A Race to Zero, alinhada às metas do Acordo de Paris, incentiva a criação de medidas rigorosas e imediatas para reduzir as emissões globais pela metade até 2030 e zerar as emissões líquidas de carbono até 2050. Mais de 120 países integram a aliança em prol da meta. O Paraná já havia declarado seu apoio à campanha em agosto, aderindo agora de forma oficial.

Já a campanha Race to Resilience, aliada à primeira, tem como objetivo tornar 4 bilhões de pessoas de comunidades vulneráveis ??resilientes às mudanças climáticas até 2030. Na prática, a ação promove medidas para minimizar os danos em regiões mais expostas às consequências do aquecimento global.

Adaptações

No ambiente urbano, isso inclui transformar ocupações irregulares em espaços limpos e seguros. No rural, o objetivo é equipar os pequenos agricultores para se adaptarem com as mudanças. Já no âmbito costeiro, o foco é proteger residências e empresas contra mudanças climáticas.

Para promover as ações necessárias para o cumprimento das metas, o decreto estabelece que a Secretaria Estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) deverá aprovar, em até 12 meses, o Plano de Ação Climática 2050. O documento terá metas intermediárias de redução de emissões de gases de efeito estufa para os anos de 2030 e 2040, além da neutralização de emissões líquidas até 2050.

Além disso, a Secretaria deverá aprovar um Plano de Adaptação Climática em até 18 meses para análise de riscos e vulnerabilidade climática no Estado.

Coopeeração

O evento também contou com a assinatura de um Memorando de Entendimento (MoU) entre o Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social (Cedes) – responsável pela implementação da Agenda 2030 no Paraná –, o Instituto das Nações Unidas para Formação e Pesquisa (Unitar) e a Organização Mundial da Família (WFO).

O documento determina a criação de um grupo de trabalho com duração máxima de três meses para elaborar um acordo de cooperação e um plano de trabalho, que deverão estabelecer mecanismos de estímulo à implementação e acompanhamento local da Agenda 2030.

Com a cooperação, a ideia é formular novas políticas públicas que auxiliem no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Paraná. Além do governador, assinaram o documento o diretor-executivo da Unitar, Nikhil Seth, a presidente da WFO, Deisi Kusztra, e a vice-presidente do Cedes, Keli Guimarães.

(Assessoria Foz)