O combate ao tráfico de drogas, ao contrabando e a outros crimes que são diretamente relacionados a mortes violentas tem dado resultado expressivo na diminuição do número de homicídios.

No ano passado, levantamento feito pelo Hoje News, mostra que foram 34 homicídios registrados apenas no primeiro semestre. Em 2018, do início do ano até ontem, foram 24 assassinatos.

Mas não é só isso. O índice de elucidações destes crimes em Cascavel também inibe a prática do assassinato. Em 2018, de acordo com a Delegacia de Homicídios, as elucidações já atingem 87,5% dos casos. “A investigação de homicídio sempre foi minha bandeira e a eficiência estatal nestes crimes impacta na diminuição da violência letal”, reforça o delegado-chefe da 15ª SDP (Subdivisão Policial), Nagib Nassif de Palma.

O levantamento, realizado pela Delegacia de Homicídios de Cascavel, mostra desde 2013 um índice de elucidações superior a 70% e é uma das que mais soluciona casos de no Estado. Os números que podem aumentar, já que os casos que permanecem em investigação podem vir a ser elucidados e fazer com que o número de crimes solucionados seja ainda maior.

Cascavel tem uma característica, de acordo com a Delegacia de Homicídios, de assassinatos praticados por motivos fúteis. “No entanto, no ano passado, o cenário mudou e o perfil voltou a ser de homicídios relacionados a outros crimes, os chamados crimes acessórios, como tráfico de drogas, por exemplo, por conta de dívidas ou desavenças relacionadas a essa prática”, explica a delegada da pasta, Mariana Vieira.

Soluções

Desde 2013, o trabalho intenso de investigação fez com que o índice de soluções se mantivesse acima dos 70% e o número de assassinatos apresentasse queda, ano a ano. Em 2013, foram 95 assassinatos registrados e 70,53% solucionados – número que pode aumentar conforme andamento das investigações.

Em 2014, foram 83 homicídios, 89,16% o elucidados. No ano seguinte, foram 74 assassinatos e 90,54% deles já estão resolvidos. Em 2016, mais 71 homicídios e 83% deles estão solucionados. Das 61 mortes de 2017, 78,69% foram resolvidas até agora.

Resposta à sociedade

Além do trabalho rápido da polícia, que investiga os casos de crime contra a vida, outro fator que é fundamental para dar uma resposta à sociedade é o julgamento destes casos.

De acordo com dados da 1ª Vara Criminal de Cascavel, no primeiro semestre deste ano foram 52 julgamentos realizados. Em 2017, foram 180: um total de 232 júris desde o início de 2017, quando começou a funcionar a vara especializada para estes crimes.

Antes, com o acúmulo de serviço, o julgamento de um réu preso demorava mais de um ano para ser realizado. No caso de réu solto, com a pauta apertada, alguns casos levavam mais de dois anos para serem resolvidos.

Em todo o ano de 2016, por exemplo, foram 108 sessões plenárias de julgamento realizadas.