Curitiba – Num cenário pós-crise, um aumento no número de vagas de emprego é sempre uma boa notícia, mesmo que num ritmo ainda longe do ideal. E essa é exatamente a situação atual dos empregos na indústria de transformação do Paraná, segundo pesquisa mensal realizada pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), ligado ao Ministério do Trabalho e Emprego.

Após um período crítico, o setor vem reagindo, ainda que lentamente. De janeiro até agora, o saldo é positivo, 9.500 empregos criados na indústria de transformação do Paraná. Só em agosto houve abertura de mais de mil vagas “O saldo do mês é um movimento sazonal, possivelmente resultado das contratações temporárias de fim de ano para atender à demanda do período de festas”, analisa o economista da Fiep Evânio Felippe.

No Brasil, houve crescimento de quase 3 mil vagas em relação ao mesmo mês de 2017. Foram 15 mil este ano, contra 13 mil do ano passado. No acumulado de janeiro a agosto, a indústria abriu 97.500 novos postos de trabalho no País.

Já no Paraná, em relação a igual período do ano anterior, o número de postos de trabalho caiu pela metade. Foram 2.100 vagas em agosto de 2017. Segundo Felippe, este é um ano de indefinições no cenário político e de mudanças significativas nas relações de comércio exterior. “As incertezas na economia também permanecem e, some-se a isso, a greve no transporte rodoviário, em maio, interferiu diretamente no desempenho do setor industrial. O fato do balanço geral do mês ter registro positivo de abertura de vagas já é um bom indicativo, embora ainda abaixo dos níveis ideais”, avalia o economista.

Por segmento

Dos 12 segmentos avaliados em agosto no Estado, quatro tiveram desempenho negativo, sete ficaram positivos e um permaneceu estável. Os setores com pior desempenho foram Têxtil e Artigos do Vestuário, com 200 vagas fechadas; seguido pela Indústria Mecânica (-192); de Transporte/Automotivo (-53); e Metalurgia (-41). O resultado negativo deste mês reforça ainda mais a queda que o setor Têxtil e do Vestuário vem apresentando no acumulado do ano, de -1.100 postos de trabalho no Paraná.

Já o setor Automotivo e de Metalurgia acumulam alta de 1.900 e 145 vagas abertas no ano.

Os que abriram mais oportunidades de trabalho no Paraná são Alimentos e Bebidas, com quase 700 vagas em agosto e 3.500 entre janeiro a agosto de 2018; Madeira e Mobiliário, 340 no mês e 1.200 no acumulado; e Indústria Química e de Produtos Farmacêuticos, com 229 novas vagas em agosto e mais de 1.700 nos últimos oito meses.

Crescimento

Contando todos os setores da economia, foram criadas 110 mil vagas de trabalho em agosto no Brasil. No Paraná, o número é de 10.300 novos empregos no período. Em 2017, o saldo nacional do mês era um terço: 35 mil vagas. E, no Paraná, 1.200 vagas abertas apenas. O resultado deste ano é oito vezes maior.

A maior parte dos empregos gerados no Estado, 60% ou 6.200 vagas, foi no interior. Outro dado curioso é que o Paraná foi o responsável por quase todo o resultado positivo da Região Sul em agosto. Com a performance negativa de mais de 4 mil demissões no Rio Grande do Sul no mês, o resultado de 10.300 novas vagas no Paraná compensou as perdas. Santa Catarina somou 3.900 empregos. Com isso, o saldo do Sul ficou em 10.200 postos de trabalho em agosto.