SÃO PAULO. Agentes do Complexo Médico-Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, localizaram carregadores de telefone celular e pendrives na cela do ex-ministro José Dirceu e do ex-deputado federal Luiz Argôlo, réus condenados na Lava-Jato.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp-PR), os pendrives armazenavam filmes e arquivos de música. Como presos têm o direito de levar para cela uma TV de até 20 polegadas, os agentes suspeitam que usavam o material para assistir a filmes durante a madrugada, por meio de saída USB do aparelho.

Os objetos proibidos foram encontrados em 1º de agosto durante uma vistoria de rotina. De acordo com a Sesp-PR, como nenhum dos dois quis assumir ser o dono do material, receberam como penalidade a proibição de receber visitas de familiares até o dia 20 deste mês. Segundo o órgão, a autorização para receber advogados não foi alterada.

O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, afirmou que seu cliente não estava na cela no momento da revista e que, portanto, não tem ideia da circunstância em que foram achados carregadores de celular e pen drive.

– Essa é uma história muito nebulosa. Dirceu cumpre sua pena de forma correta, quase militar. O comportamento dele sempre foi exemplar e queremos que tudo seja apurado, porque não consideramos justo – afirmou.

O advogado de Luiz Argôlo não foi localizado para comentar o assunto.