Um estudo conduzido por cientistas brasileiros revelou em um artigo publicado no periódico Viruses, na última sexta-feira (10), registrando um cenário ainda mais preocupante. Segundo eles, o Brasil, junto com a África do Sul, está entre os países que mais têm mutações do novo coronavírus no mundo.

O levantamento, realizado em cinco regiões do país entre março de 2020 e junho de 2021, mostra que o vírus tem se espalhado mais por aqui. O estudo encontrou uma nova mutação a cada 278 amostras. O número é muito maior do que na Europa, por exemplo, onde a frequência é de uma a cada 1.046 amostras.

O pesquisador do Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo (RS), Fernando Spilki, afirmou que as mutações do vírus são decorrentes da diversidade e dos ambientes propícios para a transmissão.