Brasília – A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 109,751 bilhões em agosto, um aumento real (já descontada a inflação) de 1,08% na comparação com igual mês de 2017. Em relação a julho deste ano, houve queda de 15,25%.

O valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de agosto desde 2014. O resultado veio dentro do intervalo de expectativas de 17 instituições ouvidas pelo Broadcast Projeções, que ia de R$ 106,5 bilhões a R$ 121,4 bilhões, e ligeiramente abaixo da mediana da pesquisa, de R$ 110,6 bilhões.

Entre janeiro e agosto deste ano, a arrecadação federal somou R$ 953,621 bilhões, também o melhor desempenho para o período desde 2014. O montante representa avanço de 6,94% na comparação com igual período do ano passado.

Em agosto, houve alta de 24,63% na arrecadação das receitas administradas por outros órgãos, composta principalmente por royalties de petróleo, que somaram R$ 2,569 bilhões. No ano, essa arrecadação cresceu 49,2%, já descontado a inflação, somando R$ 38,406 bilhões.

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em renúncia fiscal de R$ 30,016 bilhões entre janeiro e agosto deste ano, valor R$ 328 milhões menor que o registrado em igual período do ano passado, quando a desoneração ficou em R$ 30,344 bilhões. Apenas no mês de agosto, as desonerações totalizaram R$ 6,768 bilhões, também abaixo do registrado em agosto do ano passado (R$ 7,035 bilhões).