A cânfora é um terpeno historicamente extraído da árvore canforeira, de nome científico Cinnamomum camphora, mas comumente desenvolvido por meio de síntese química em laboratório.

Culturalmente, a cânfora é empregada na medicina tradicional e como repelente de insetos e animais. Devido ao seu aroma agradável, a cânfora é utilizada como ingrediente em cosméticos, na preparação de fluidos de embalsamamento, entre outros usos. Na Índia, a cânfora faz parte da lista de temperos utilizados em alimentos e em cerimônias religiosas.

A canforeira é nativa da Ásia oriental, particularmente da ilha de Formosa, Japão e China.

A cânfora é produzida em menores quantidades por outras plantas como o alecrim e o manjericão e exerce a importante função de defesa contra o ataque de predadores naturais. O óleo essencial de alecrim, extraído das folhas de alecrim, contém 10 a 20% de cânfora.

Na cultura indiana, acredita-se que a queima de cânfora proporciona uma visão mais esclarecedora sobre a realidade.

Além disso, a queima de cânfora é praticada como uma forma de purificação do ar, eliminando bactérias, vírus e mosquitos nocivos.

O óleo de cânfora, quando aplicado sobre o peito, alivia a congestão nasal e a tosse.

Sob a forma de gotas, a cânfora pode ser aplicada na garganta para aliviar a tosse.

O composto de cânfora também é utilizado em pomadas contra a coceira e gel para alívio da dor local.

Em massagem, o óleo de cânfora proporciona bem-estar e reduz a dor da artrite e dores musculares.

Como um repelente de mosquitos, a cânfora é muito eficaz, não apresenta efeitos colaterais e possui baixo custo.

O óleo de cânfora tem propriedades anti-inflamatórias e pode ser usado para ameniza acne e furúnculos.

O óleo de cânfora também é benéfico para redução do inchaço resultante de infecção da gengiva, neuralgia e reumatismo.

Fonte: @mundodeperséfone