Cascavel – Como já adiantado pelo jornal O Paraná, na edição de ontem (6), as obras de duplicação do trecho da BR-163 entre Cascavel e Marmelândia, distrito de Realeza, somente devem ser concluídas após a realização da nova concessão das rodovias do Paraná.

A informação foi adiantada pelo deputado federal Sérgio Souza (MDB), que esteve reunido com membros do Ministério da Infraestrutura e recebeu essa informação. Até então, nenhum órgão Federal havia confirmado, agora, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), órgão responsável pela elaboração do novo modelo de concessão das rodovias do Paraná, confirmou que essas obras são de responsabilidade do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e que, as estimativas são de que o departamento não irá conseguir entregar a obra até que as novas concessões tenham início.

Por conta disso, como esses trechos estão inclusos no novo projeto de concessão, existe a probabilidade de que serão as concessionárias devem finalizar essas obras.  “Há previsão de que trechos da BR-163-PR comporão futuramente dois lotes rodoviários a serem concedidos. Nesses casos, enquanto tramitam os procedimentos prévios à concessão, é feita, para fins de estudos de viabilidade, uma análise do avanço provável destas obras de duplicação realizadas pelo DNIT. E, nestas estimativas prévias, consideram-se como escopo da concessão os trechos, que se acredita, que o DNIT não consiga duplicar antes da concessão”, informou a ANTT.

De acordo com o órgão federal, antes da publicação dos editais da licitação serão realizadas atualizações do andamento da obra a fim de verificar quanto do projeto será incorporado nas concessões. “A partir daí, e antes da publicação dos editais de concessão, é feita, então, uma atualização do escopo de obras obrigatórias das futuras concessionárias, analisando o avanço efetivo das obras realizadas pelo DNIT até aquele momento e incorporando na concessão todos os trechos com duplicação prevista e não executada.”

MInfra confirma pedágio entre Cascavel e Toledo

Reunião realizada com membros do Ministério da Infraestrutura e lideranças de movimentos contra o pedágio no Paraná foi realizada para sanar algumas dúvidas do novo projeto de concessão das rodovias do Estado.

Durante a reunião, as lideranças dos movimentos foram informadas que não existe a possibilidade da retirada de nenhuma das 15 novas praças de pedágios previstas no novo modelo, incluindo a polêmica praça de pedágio que será instalada entre Cascavel e Toledo, que terá valor entre R$ 6 e R$ 7. Além disso, os técnicos do MInfra informaram que também não há possibilidade de alteração de locais das praças.