Após sucessivas prorrogações, hoje, às 9h, serão abertos os envelopes para que sejam conhecidos os valores propostos pelas concorrentes para a retomada da construção do Terminal de Passageiros do Aeroporto Municipal de Cascavel.

Os representantes das empresas estarão reunidos no segundo piso do Paço Municipal – no setor de Compras -, acompanhando mais essa etapa do certame licitatório que teve início em dezembro do ano passado e já deveria ter sido concluído.

Duas empresas inabilitadas apresentaram recursos administrativos contra o parecer da Comissão de Licitações: consórcio formando pela Engedix Soluções de Engenharia Eireli e Marcos José Klein EPP e a empresa Gercindo Senhorini ME. Isso atrasou o processo em um mês. Os recursos foram negados e ambas foram excluídas, conforme decisão da Procuradoria Jurídica.

Prazos

Das 11 empresas que participaram da concorrência com custo máximo estipulado de R$ 18.574.150, nove continuam na disputa. A empresa vencedora terá 12 meses para concluir o trabalho.

O início das obras dependerá de todos os trâmites burocráticos e, caso alguma perdedora não reconheça o resultado como justo, a assinatura do contrato pode demorar para sair. “São empresas conhecidas e com um histórico reconhecido, por isso estamos tranquilos que, independente da ganhadora, o resultado será bom”, afirma Alsir Pelissaro, presidente da Cettrans.

A prefeitura esperava ter retomado as obras ainda neste mês.

A obra

A obra do novo terminal está parada desde 2016, quando a empresa Onça Construções LTDA abandonou o projeto. Os 30% da estrutura construída serão aproveitados.

O projeto do novo terminal de passageiros foi readequado pela administração municipal, passando de 2,5 mil metros quadrados para 5,9 mil metros quadrados.

A obra inclui sala de embarque e de espera; sala VIP; lanchonete; quiosque; estacionamento para 398 veículos com acesso ao terminal por escadas e rampa; área coberta para as lojas comerciais externas e entradas com acessibilidade; praça de alimentação no piso superior com restaurante; lanchonete; sanitários e mirante; sanitários com acessibilidade; infantil; ostomizados e fraldário; área técnica coberta para recebimento e despacho das bagagens e pátio para até três aeronaves modelo "boeing 737-800", que tem capacidade para 215 passageiros. “Quando assumiu, a equipe da Anac apresentou ao presidente Jair Bolsonaro o projeto do aeroporto de Cascavel, que virou referência em aeroportos no interior do Brasil. É um dos mais modernos”, diz Alsir Pelissaro.

Obras complementares

Os novos hangares já estão prontos – foram construídos em uma área que permite operações das aeronaves, conforme exige a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Porém, ficou para mês que vem a demolição de três hangares particulares antigos – serviço que deve ser feito pelos proprietários.

Uma estrutura antiga que pertencia a Pedro Muffato será usada como SCI (Serviço de Combate a Incêndios) e deverá ser reformada.

A prefeitura já licitou a duplicação da Avenida Itelo Webber no acesso ao Aeroporto Municipal. A empresa vencedora é a Rio Quati, que apresentou proposta de R$ 4,66 milhões e está apta a iniciar o trabalho.

Em breve, a prefeitura abrirá novo certame para adequar o pátio de manobra das aeronaves e o estacionamento de veículos, com custo de R$ 3 milhões.

Para atender às normas, ainda faltam cercar o sítio portuário e fazer a pintura da taxiway – onde as aeronaves circulam para acessar os hangares.