RIO – O ginasta Arthur Zanetti conseguiu a medalha de prata nas argolas. Campeão olímpico na prova em Londres-2012, ele foi derrotado pelo grego Eleftherios Petrounias, atual campeão mundial no aparelho, que cravou 16,000 pontos. O russo Denis Abliazin ficou com o bronze.

TÓQUIO SERÁ 'TIRA-TEIMA'

Mal desceu do pódio e Zanetti, hoje com 26 anos, confirmou que tentará recuperar o título olímpico em Tóquio-2020.

— Dá um gostinho a mais (vencer em casa) para poder estar na próxima representando nosso país — disse Zanetti, que quando perguntado sobre seu saldo, um ouro e uma prata, confirmou que Tóquio servirá de uma espécie de desempate: — O tira-teima é em Tóquio, vamos ver. Agora, a gente vai disputar.

Já o técnico do atleta, Marcos Goto, reconheceu que o grego foi melhor.

— Ginástica é momento. Nesse momento, o grego realmente foi melhor. A prova dele foi uma prova imbatível. O Arthur ficar em segundo para nós é um excelente resultado — avaliou.

O brasileiro conseguiu pontuação de 15,766, menor que os 15,900 que lhe garantiram o ouro em Londres. A nota de dificudade de Zanetti (6,800) foi a mesma que a do rival grego, que conseguiu, no entanto, uma pontuação de execução maior (9,200 contra 8,966), o que fez a diferença para definir o lugar do pódio.

Considerado um dos favoritos, o chinês Liu Yang terminou apenas em quarto lugar. Com o resultado, a China não conseguiu recuperar o título olímpico no aparelho, conquistado em Pequim-2008 — quando o país asiático garantiu o ouro e a prata — e perdido em Londres, justamente para Zanetti.

É a terceira medalha da ginástica artística nos Jogos. No domingo, Diego Hypolito levou a prata no solo, enquanto Arthur Nory ficou com o bronze.