Um mês depois, Paranhos ainda não decidiu sobre GM

O homem foi acusado de cometer assédio sexual contra mulheres atendidas pela Patrulha Maria da Penha

O prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, ainda não decidiu sobre a demissão ou não do guarda municipal que fazia parte da Patrulha Maria da Penha e foi acusado de cometer assédio sexual contra mulheres atendidas pela Patrulha e colegas de trabalho.

Na sindicância que apurou a denúncia, foi apontado que o GM teria infringido a lei municipal com sua conduta e que por isso a pena seria sua demissão.

A reportagem teve acesso ao documento com a resolução, assinado pelo diretor das Guardas Municipal e Patrimonial, Antonio Volmei dos Santos, e pela secretária de Política sobre Drogas e Proteção à Comunidade. Rose Vascelai, com o parecer da sindicância. O documento não é datado, mas o processo teria sido finalizado no dia 15 de agosto e chegado às mãos do prefeito antes do dia 9 de setembro.

De acordo com a direção das Guardas, o servidor permanece afastado para tratamento médico.

 Sem resposta

A reportagem novamente questionou a prefeitura sobre a situação, mas não houve resposta.

Anteriormente, a justificativa apresentada era de que o prefeito havia solicitado informações complementares para balizar sua decisão, que deveria ser oficializada em breve.

 



Fale com a Redação

dezesseis − nove =