Reportagem: Claudia Neis 

A situação preocupante da Cadeia Pública de Cascavel, que abriga 180 presos em um local com vagas para 16, fez com que os vereadores Fernando Hallberg e Rafael Brugnerotto acionassem o Ministério Público. Eles estiveram no local ontem (28) e se assustaram com o que viram: “Está lastimável a situação. São 180 presos em um quadradinho. Pessoas amontoadas, um verdadeiro depósito de gente!”, lamenta Fernando.

Fotos do local recebidas pela reportagem mostram detentos literalmente “amontoados”, em uma espécie de cinco andares improvisados com redes.

Hallberg afirma que, além de acionarem o Ministério Público, foi agendada uma audiência pública para discutir a superlotação do sistema carcerário no Município, que será no dia 19 de setembro, às 14h.

Fernando lembra que o Cadeião foi destruído no fim de 2016 pelo próprio Beto Richa, governador na época, que chegou a prometer que nenhum preso mais ficaria naquele local. O ato público do ex-governador só piorou a situação, pois deixou menor o espaço nunca desativado efetivamente.

Existem hoje 16 agentes penitenciários que atuam no local e os vereadores temem uma rebelião no local.

O que diz o Depen

Há cerca de seis meses a Cadeia Pública de Cascavel deixou de ser de responsabilidade da Polícia Civil e passou a ser administrada pelo Depen (Departamento Penitenciário). Apesar da superlotação, o coordenador regional do Departamento, Thiago Corrêa, disse que a situação no local “não é considerada caótica” e que transferências dependem de diversos fatores. “Houve um aumento de presos nos últimos dias por conta da Operação Adsumus, que prendeu e continua prendendo pessoas. E não há como retirar os presos daqui sem vagas para encaixá-los. Todas as terças e quintas-feiras há transferências, mas são presos cerca de 15 pessoas por dia, enquanto da PEC [Penitenciária Estadual de Cascavel] saem dez. Além disso, essas dez vagas abertas precisam ser divididas com as cadeias dos dez municípios da região, ou seja, sempre existem presos que ‘sobram’ aqui”, explica Thiago.

Uma nova transferência de presos do cadeião para a PEC deve acontecer hoje, mas o número de detentos não foi confirmado.

A PEC e a PIC (Penitenciária Industrial de Cascavel) estão com a capacidade máxima: a PEC com 960 presos e a PIC com 360.

Já sobre a possibilidade de rebelião, Thiago afirmou que ela existe em qualquer presídio do País e que, caso aconteça no cadeião, o Estado está preparado para contê-la.