Operação da Receita Estadual fiscalizou 13 empresas suspeitas de serem “noteiras”, ou seja, criadas apenas para emissão de notas fiscais (documentos fiscais eletrônicos) fraudulentas, para acobertar crimes e sonegação de impostos. A operação foi nesta quinta-feira (29).

Numa primeira avaliação, essas empresas seriam responsáveis por um desvio de R$ 33,5 milhões. Elas são da área de cobertura da Delegacia Regional de Curitiba (5), Londrina (5), Maringá (1), Pato Branco (1) e Jacarezinho (1); todas do ramo de comercialização de produtos agrícolas primários e, apenas uma, de metais (alumínio). “Em Londrina a operação contou com o apoio do Gaeco, onde algumas já estavam sendo investigadas há cerca de dois meses”, conta o delegado regional da Receita local, José Carlos Guidotti.

De acordo com ele, essas empresas obtêm licença de forma regular, mas acabam funcionando como “laranjas”, usadas para fraudes ficais, como a emissão de documentos fiscais para documentar vendas efetuadas por outras empresas, ou para gerar créditos indevidos de ICMS.

Os auditores-fiscais visitaram as empresas sob a coordenação do Setor de Pesquisa e Investigação da Receita Estadual. Agora, haverá um trabalho conjunto com o Ministério Público para que sejam convocados os sócios e contadores para identificar quem são os verdadeiros proprietários de tais empresas.

De acordo com a Inspetoria Geral de Fiscalização, numa próxima etapa, serão notificados os fornecedores e destinatários, visando a comprovação da efetividade das transações. Operações como esta serão constantes no Estado.