Três Barras do Paraná – Uma operação conjunta das forças especiais da Polícia Militar do Paraná, na madrugada de quinta-feira (4), neutralizou grande ação criminosa contra instituições financeiras em Três Barras do Paraná. Os criminosos, demonizados pela PM como “Novo Cangaço”, chegaram à cidade durante a madrugada e bloquearam, com árvores, todas as rodovias que dão acesso ao município e iniciaram, simultaneamente, ataques às agências do Banco do Brasil e da Cooperativa do Sicredi.

Os integrantes da ação criminosa estavam divididos em dois grupos. Quatro suspeitos ocupavam um veículo Honda HRV roubado e atacaram o Banco do Brasil com diversos disparos. Menos de 700 metros de distância, ocorreu a ação na Cooperativa Sicredi, na qual foi utilizado um veículo Renault Fluence, carregado com explosivos. Durante o confronto, cinco criminosos fortemente armados acabaram sendo mortos. Um sexto elemento chegou a ser

socorrido, mas veio à óbito na sequência.

Com o grupo de criminosos foi encontrado um verdadeiro arsenal. No total, foram aprendidos três fuzis (dois 556 e um fuzil AK 47), duas armas calibre 12, uma pistola, uma Glock, coletes balísticos, diversos carregadores municiados e um carregador ‘caracol’ com capacidade para 100 munições. Ainda conforme a Polícia Militar, ainda foram encontrados explosivos junto aos criminosos e nos veículos utilizados na ação. Durante a troca de tiros um dos explosivos foi acionado.

 

FORÇA INTEGRADA

O coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, esteve em Três Barras do Paraná e concedeu entrevista coletiva. Ele explicou que a PM já tinha informações e monitorava o grupo criminoso há meses. “Desde julho a gente vinha monitorando essa quadrilha que fez roubo duas vezes em Campo Bonito, em São Carlos do Ivaí e logo na sequência em Mariluz. Há uma semana estávamos com as equipes de inteligência e táticas trabalhando de forma velada na região”, detalhou, relatando que um dos criminosos participou em um “evento” na Paraíba e que os indivíduos são do Paraná – informação que ainda aguarda confirmação oficial.

De acordo com o comandante geral da PM, desde julho a quadrilha vinha sendo monitorada e há cerca de um mês, num trabalho conjunto das forças especiais e do 6º Batalhão da Polícia Militar de Cascavel, foi feito um planejamento estratégico para, ao sinal indicativo de que a quadrilha iria agir novamente, as forças de segurança entrassem em ação. “Há uma semana estávamos na região acompanhando com as esquipes de inteligência e táticas, de forma velada na região, e houve a tentativa de roubo”, relatou.

Apesar de duas viaturas terem sido atingidas pelos tiros, ninguém ficou ferido. “Graças a atitude de inteligência que agiu de forma pontual e cirúrgica e também ao profissionalismo de todos os policiais envolvidos na operação, quer os de operações especiais, quer o pessoal que trabalha na região, logramos êxito”, disse, observando que “graças a essa ação as pessoas só perceberam o roubo no momento do confronto, mas ninguém foi feito refém e nada foi levado”.

O comandante destacou que a operação, que envolveu cerca de 80 policiais, é resultado do trabalho de Inteligência da Polícia Militar, conjuntamente entre o Centro de Inteligência, Agências Regionais do 3º e 5º CRPM e Agências Locais do 8º, 6º, 21º BPM, 9ª CIPM e BPFron. Ainda participaram da deflagração equipes do COE/BOPE, Choque 6º BPM, BPFron e Rotam 21º BPM. “Esse foi um trabalho árduo do pessoal. Um trabalho que não aparece que é das equipes de inteligência. E, graças ao profissionalismo deles, aliado com as equipes táticas, nós logramos êxito nesta missão. […] Eles subestimaram a nossa força e levaram azar”, afirmou o comandante-geral. (Redação – Paulo Eduardo)