Pittsburgh – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentou em um discurso nessa quarta-feira (31) um plano de investimento de cerca de US$ 2 trilhões em infraestrutura do país. Para viabilizar a medida, o presidente pretende aumentar impostos de corporações, atacando diretamente medidas do antecessor Donald Trump e acirrando a divisão entre progressistas e conservadores.

A proposta apresentada é a primeira metade do que será uma liberação em duas etapas da ambiciosa agenda do presidente para reformar a economia e refazer o capitalismo americano, que poderia ter um custo total de até US$ 4 trilhões ao longo de uma década, uma medida que ele deseja transformar em símbolo de sua gestão.

A administração Biden o nomeou de Plano de Emprego Americano, ecoando o projeto de lei de alívio da pandemia de US$ 1,9 trilhão que Biden sancionou este mês, chamado Plano de Resgate Americano. O Plano de Emprego Americano, disse Biden, “vai investir na América de uma forma que não investimos desde que construímos as rodovias interestaduais e vencemos a Corrida Espacial”.

“Hoje, estou propondo um plano para a nação que recompensa o trabalho, não apenas recompensa a riqueza. Isso constrói uma economia justa que dá a todos uma chance de sucesso”, disse Biden, em seu discurso em Pittsburgh (Pensilvânia).

Biden disse que priorizará o investimento em empresas, produtos e trabalhadores que estão nos EUA.

Na primeira fase do plano, Biden visa enfrentar alguns dos problemas mais urgentes do país – desde a mudança climática até os sistemas de água decadentes e a infraestrutura do país. As promessas são vastas e podem ser difíceis de cumprir, mesmo que consiga obter total apoio da maioria estreita dos democratas no Congresso.