Depois de algumas datas anunciadas e adiadas, agora parece que o martelo foi batido: a partir do dia 16 de fevereiro, sábado que vem, os ônibus do transporte público começam a circular nos corredores exclusivos das Avenidas Brasil, Barão do Rio Branco e Tancredo Neves.

A data do início das operações do THQ (Transporte Humanizado de Qualidade) foi adiantada ontem ao HojeNews pelo presidente da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Tráfego), Alsir Pelissaro.

Segundo ele, o sábado foi escolhido por ser um dia bem mais tranquilo do que uma segunda-feira, por exemplo. “Fica inviável começarmos numa segunda-feira, por exemplo, quando 55 mil pessoas usam os ônibus. No sábado há menos passageiros, assim todos podem dar uma “rodada” pelas linhas e já se ir se habituando”, sugere. “Então, na segunda [18], esperamos que os usuários já consigam usar o sistema sem muitos problemas”.

E quem usa o transporte público precisa mesmo prestar bastante atenção. Além de não embarcar e desembarcar mais nas Ruas Paraná e Rio Grande do Sul, por exemplo, haverá alterações de rotas e horários em todas as linhas.

“O Bairro Guarujá fica bem perto do Terminal Sudoeste, por isso a frequência de ônibus vai aumentar e o itinerário muda, pois a linha não vai mais para o Terminal Oeste. O mesmo acontece com as linhas Esmeralda e Santos Dumont. Haverá muitas alterações, mas alterações que vão favorecer o passageiro”, adianta Pelissaro.

Cinco terminais e novos itinerários

Uma das novidades do novo sistema é a operação com cinco terminais de transbordo. Apenas o Terminal Sul não sofreu intervenção. Na zona leste foi construída nova estrutura, agora no Bairro Pacaembu.

Na frente da Rodoviária, o Terminal Oeste “andou” um pouquinho e mudou para a outra esquina do terreno, todo novo. A região norte ganhou o Terminal Nordeste, no Bairro Brazmadeira, e o Bairro Santo Onofre agora tem o Terminal Sudoeste.

Com essas novas estruturas, algumas linhas migram de um terminal para o outro, com a intenção de agilizar o transporte.

“Temos um fluxo muito grande de passageiros que vão para a FAG e a Univel, por isso o Terminal Sudoeste também vai dar um suporte. Nos horários de pico, teremos linhas saindo dessas universidades e indo no sentido ao Detran e vice-versa”, explica o presidente da Cettrans, Alsir Pelissaro.

Atenção: as linhas Sul/Oeste e Leste/Sul serão extintas. A partir da próxima semana, quem embarcar no Terminal Sul terá que desembarcar na Estação de Transbordo Central, perto da Catedral, e trocar de ônibus. O local funcionará como um terminal a céu aberto. “Nessa estação o passageiro vai fazer a integração com o cartão ValeSim. Ele não precisa pagar outra passagem”, explica Pelissaro, referindo-se ao chamado sistema temporal.

Conforme ele, na próxima semana será divulgado o tempo que o passageiro terá para trocar de ônibus sem pagar nova tarifa.

Cettrans vai distribuir panfletos

Uma das preocupações com o novo sistema é justamente alcançar todos os passageiros com as informações necessárias. Durante esta semana uma campanha publicitária alerta para as principais mudanças e, a partir de segunda-feira, devem ser distribuídos panfletos alertando sobre o início do THQ. “Nossos fiscais também estarão com todas as informações necessárias para ajudar os passageiros e haverá cartazes explicativos no interior dos ônibus”, acrescenta o presidente da Cettrans, Alsir Pelissaro.

As empresas que operam o transporte prepararam um informativo sobre a integração temporal do cartão ValeSim: “Talvez esse material comece a circular um dia depois do nosso, pois estão finalizando a arte e vão mandar para a gráfica. Porém, tudo será entregue ao usuário com tempo”, garante.

Campanhas em jornal, rádio, TV e internet já começaram e vão se intensificar. Ainda há dois vídeos sendo finalizados: “Um dos vídeos vai ser explicativo do ValeSim e o outro do sistema em si. Queremos deixar o nosso passageiro com o máximo de informações possíveis para ninguém se perder”.

Encontrou algum problema, informe a Cettrans: (45) 3036-8088

Passageiros só querem resultados

A estudante Priscila Hlatki deixa claro que quer que o sistema seja ágil: “Eu vou passar pelas Avenidas Brasil e Barão do Rio Branco todo dia. É uma grande novidade, principalmente pela mudança do lado das portas e a nova pintura. Espero que todas essas mudanças favoreçam os passageiros e que realmente o sistema dê certo”.

A empregada doméstica Valdelice Paiva diz que só passa raiva nos ônibus e que por isso mesmo quer que o novo sistema traga melhorias: “Hoje é um transtorno andar de ônibus… é demorado, cheio… Eu ando todo dia e espero que realmente melhore, pois estamos precisando, e muito!”

Já a camareira Rozelei da Silva acredita que colocar os ônibus na Avenida Brasil é retrocesso: “Todas as cidades grandes estão remanejando o transporte das ruas principais para as ruas paralelas nas regiões centrais e aqui estão colocando de volta. Está tudo errado! Eu acho que não vai funcionar, só trará ainda mais problemas do que já temos. Já estou até vendo a cofusão que vai virar”.