Cascavel – As denúncias de agressão e abuso de autoridade feitas contra guardas municipais de Cascavel serão investigadas pela Polícia Civil. O inquérito foi instaurado para averiguar se houve atuação criminosa por parte dos guardas. Com isso, além da sindicância interna na prefeitura que pode chegar à exoneração, os guardas poderão responder a ação criminal por crime de abuso de autoridade e lesão corporal (leia mais abaixo).

Um rapaz de 26 anos foi abordado por três guardas na noite do dia 22 de dezembro e agredido. A ação foi registrada por câmeras de segurança. Segundo ele, os guardas repetiam: “Você vai aprender a respeitar a GM”.

O delegado-chefe da Polícia Civil, Nagib Nassif Palma, classificou o caso como excepcional e disse que o agente público tem o direito de fazer uso de força para conter um indivíduo apenas para coibir uma eventual manifestação de risco, mas que o uso dessa força não pode ser, de maneira alguma, abusivo.

Já o diretor da Guarda Municipal de Cascavel, coronel Avelino Novakoski, falou da dificuldade do papel do guarda municipal e que em muitas situações se excedem porque as pessoas não admitem a abordagem, porém, ele reconhece o exagero: “Houve excesso sim, as imagens são claras. E lamentamos muito, porque toda agressão tem seu lado desgastante tanto para a vítima quanto para a instituição, que agora tem que administrar essa situação”.

A prefeitura informou ontem que afastou os três guardas das funções da rua até a conclusão do processo administrativo disciplinar.

A agressão

Apesar de a agressão ter acontecido dia 22 de dezembro, o caso veio à tona apenas na quinta-feira (3) com a divulgação das imagens.

O rapaz conta que foi abordado pelos guardas sob alegação de que teria passado encarando-os. “Eu passei de mototáxi em frente ao Clube Comercial, onde estava tendo uma formatura. Havia várias pessoas na frente. Eu passei olhando para a festa. Os guardas nos seguiram e, quando paramos no semáforo, fui abordado. Eles me mandaram erguer a camiseta e tirar o capacete. Quando coloquei as mãos na cabeça, começaram a me agredir com socos na costela e chutes”.

O jovem relata que também foi espirrado spray de pimenta nos olhos. E que repetiam que “ele iria aprender a respeitar a GM”. Ele foi levado para a 15ª Subdivisão Policial e autuado por desacato a autoridade.

Veja o vídeo

Processos

Dados da própria Guarda Municipal de Cascavel revelam que há um ano o setor acumulava processos administrativos contra 11 servidores da Guarda Patrimonial e 19 servidores da GM, todos por denúncias de agressão e abuso de autoridade.

Segundo o diretor da GM, coronel Avelino Novakoski, hoje o número de processos internos é menor, mas não disse quantos são.

Ele conta que muitos processos já foram concluídos resultando em punições como advertências verbais, escritas e até suspensão, porém não houve caso de exoneração. “Ainda há alguns processos em andamento que podem gerar uma exoneração futura”.