O COE (Centro de Operações Emergenciais) de Toledo divulgou nessa terça-feira (20) o resultado da avaliação da Matriz de Risco para a última semana epidemiológica (SE 15/2021), de 11 a 17 de abril deste ano. A análise leva em conta a comparação com as duas semanas anteriores. Neste cenário, com 20% a mais no número de óbitos, o município eleva o status da situação epidemiológica para a Bandeira Roxa, ou seja, risco muito alto. Até essa terça-feira, 251 mortes por complicações da covid-19.

A secretária de Saúde, Gabriela Kucharski, explica que, apesar de todas as medidas restritivas e ações de fiscalização terem surtido efeito positivo e proporcionado tendência de queda no número de casos e também diminuição nos atendimentos de sintomáticos respiratórios nas unidades sentinela, “a Matriz de Risco é um olhar para entender o que passou e indicar um perfil da pandemia no cenário atual”.

“No período de 11 a 17 de abril de 2021 [semana epidemiológica 15/2021], mantivemos o registro de altíssimos índices de ocupação de leitos de UTI adulto covid-19 superiores a 90% de ocupação, mas observamos diminuição no número de pacientes à espera de leitos de UTI covid-19 em nossa região de saúde, situação esta que não se repetiu nas demais regiões que compõem a Macrorregional Oeste de Saúde”, observa.

Segundo ela, tal cenário possibilitou que os pacientes intubados no PAM (Pronto-Atendimento Municipal) Dr. Jorge Milton Nunes fossem transferidos para UTI covid-19 em menos de 24 horas após a intubação.

Contudo, ela alerta que os serviços de saúde ainda sofrem os efeitos do colapso do fim de fevereiro e de março deste ano. “Isso justifica o nosso estado de alerta, pois, por mais que tenhamos iniciado uma tendência de queda, ainda atendemos pacientes que acabam evoluindo para situações mais graves”, salienta a médica.

A semana epidemiológica 15/2021 registrou 250 novos casos da covid-19 em Toledo, com queda de 8,76% em relação à semana anterior, e de 18,57% em relação há duas semanas.