Sites falsos estão sendo usados para aplicar golpes em pessoas que buscam comprar carros em leilões, em Cascavel, no oeste do Paraná.

Em um dos casos, um site está usando o nome da antiga companhia de trânsito da cidade, a Cettrans, para as fraudes. No entanto, a empresa foi extinta em 2019, e a atual companhia não tem realizado leilões.

Luiz Eduardo Costa foi uma das vítimas do golpe. Ele diz que perdeu R$ 41 mil em um leilão falso.

“Eu estava escolhendo carro e esse chegou até mim um site de leilões. Nunca tive experiência própria em relação a isso. Conheço algumas pessoas que compraram carros de leilão, mas as experiências costumavam ser positivas pelo valor dos veículos”, disse.

Ele contou que chegou a pesquisar a empresa, viu o endereço registrado, até falou com os responsáveis antes de fazer o lance e não encontrou nenhuma informação suspeita que pudesse indicar o golpe.

“Você não acha nenhum tipo de queixa, e o CNPJ era ativo há mais de três anos, sem pendências, então realmente parece algo bem feito”, afirmou.

Orientação

É preciso atenção para não cair no golpe. De acordo com as informações nos sites falsos, os endereços registrados das empresas são próximas a pátios verdadeiros de veículos apreendidos.

Em um dos casos registrados em Cascavel, o endereço apontado no site ficava ao lado do pátio da Transitar, atual companhia de trânsito do município.

“Alguns que caíram no golpe compareceram no pátio, mas foram orientados a registrar B.O. diante da autoridade policial. Também recebemos ligações de pessoas que compraram os veículos”, disse o inspetor de trânsito, Alex Sandro Victório.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Leiloeiros do Paraná e Santa Catarina, Helcio Kromberg, a orientação é buscar os editais dos leilões para verificar a origem dos veículos e se eles existem mesmo.

Com o CNPJ da empresa que está fazendo o leilão, também é possível fazer pesquisas no site da Junta Comercial para verificar a atividade das empresas. Acesse aqui.

A Polícia Civil orienta que quem cair em golpes deve registrar boletim de ocorrência o mais rápido possível para que as autoridades possam iniciar as investigações com celeridade.

(G1 Paraná)