O local de trabalho do qual dependem mais de 70 famílias foi invadido por ladrões. O barracão que fica na Avenida Piquiri mais se parece uma prisão, cheio de grades e cadeados, e não é à toa: foram pelo menos sete invasões neste ano, segundo o setor de Assistência Social da Cootacar (Cooperativa dos Trabalhadores Catadores de Material Reciclável de Cascavel). Grades e cadeados retratam o medo mas não são suficientes para impedir a ação dos marginais.

Desta vez, era quase meia-noite de terça-feira quando três homens armados com pé de cabra arrombaram o barracão da cooperativa e renderam o guarda. Ele foi amarrado e ameaçado. “Ameaçavam atingir a cabeça dele com o pé de cabra”, conta Maria José, que trabalha na cooperativa há 19 anos.

Os ladrões invadiram três espaços do barracão e estouraram cadeados. Roubaram comida, micro-ondas, panelas e chaleiras, um botijão de gás, carne dos cooperativados, alguns itens de cobre, além do telefone celular do guarda.

Depois que os ladrões saíram, o guarda gritou por ajuda e foi socorrido por vizinhos, que o desamarraram. A Polícia Militar foi acionada.

Abalada, a assistente social da cooperativa, Alessandra Baldin, pede ajuda para a instalação de câmeras e alarme no barracão: “Não temos condições de comprar isso e precisamos de ajuda. Suspeitamos que esses bandidos sejam pessoas que têm acesso à cooperativa, que sabem como funciona. Por aqui passa muita gente de fora e muitos trabalhadores dependem do sustento daqui para suas famílias”.

Apenas neste mês foram registrados 17 roubos até a madrugada de ontem, segundo registro diário feito pela Polícia Militar.

 

 

Arrombamento em lotérica

Os bandidos não têm dado sossego para os empresários em Cascavel. Na madrugada de ontem, uma lotérica foi alvo de ladrões no Bairro São Cristóvão. Os bandidos invadiram o local e levaram um cofre. O prejuízo foi de aproximadamente R$ 65 mil.

Segundo a polícia, o crime foi planejado. “Acreditamos nisso porque os ladrões atuaram com uma logística melhor. Há crimes em que os bandidos fazem por oportunidade, mas não foi o caso desse, já que os ladrões procuravam especificamente pelo cofre. Estamos investigando o caso e já temos algumas informações que ainda não serão divulgadas para não prejudicar o andamento da apuração policial”, explica a delegada do GDE (Grupo de Diligências Especiais), Anna Turbay.

Nenhum bandido foi preso.