A Deccor (Divisão de Combate a Corrupção) da PCPR (Polícia Civil do Paraná) está nas ruas, desde as primeiras horas desta terça-feira (13), para apurar fraudes em cartórios cometidas por organização criminosa que agia nos Cartórios dos Serviços Distritais de Lindoeste e Santa Tereza do Oeste. Estima-se que o prejuízo às vítimas seja superior a R$ 30 milhões.

O objetivo da ação é o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão, em Cascavel, no Oeste do Estado.

O inquérito policial foi instaurado em junho de 2020, após requisição da 7ª Promotoria de Justiça de Cascavel, visando apurar crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e outros relacionados.

Um dos alvos seria ex-funcionário do Serviço Distrital de Lindoeste que foi afastado do cartório por decisão judicial. Os outros envolvidos seriam empresários da região e o titular do cartório.

Durante as investigações, a PCPR também apurou que o cartório do município de Lindoeste teria sido vendido irregularmente pelo titular aos investigados por R$ 200 mil mais o valor de R$ 15 mil mensais, pagos de forma vitalícia enquanto ele permanecesse como titular do local. Essa é a segunda fase da operação, que teve a primeira ação deflagrada em outubro de 2020. Na ocasião cinco suspeitos foram presos, além da apreensão de carros, computadores, documentos e celulares.

GOLPES- A prática consistia em transferências fraudulentas de veículos e imóveis, lavagem de dinheiro, bem como, certidões de óbito e nascimentos falsas para extinguir a punibilidade de criminosos em processos criminais, bem como, para criar RGS falsos. A PCPR ainda apurou que esses documentos eram utilizados para aplicação de golpes no Paraná e em outros estados do país.

Os indivíduos ostentavam um padrão de vida não condizente com o trabalho que realizavam nos serviços distritais, com posse de veículos de alto padrão e moradia em um dos condomínios caros.

As investigações continuam com a análise do material apreendido, que pode revelar novos detalhes dos crimes, bem como outros envolvidos.

Leia mais: 

Operação Ostentação: grupo falsificava escrituras e até “matava” clientes

Presos na Operação Ostentação são liberados