Cascavel – Desde 18 de janeiro, os paranaenses estão recebendo as doses da vacina contra a covid-19. A vacinação segue o PNI (Plano Nacional de Imunização), com definição de públicos-alvos e destinação das vacinas especificamente para cada público. Para manter o rigor na aplicação, ferramentas de controle foram criadas para verificar se as doses estão sendo aplicadas em seus devidos grupos.

Nos primeiros dias começaram a chegar relatos de vacinação em pessoas fora da lista, os chamados fura-fila. De acordo com o painel do Portal da Transparência, 682 denúncias foram feitas no Paraná. Esse número é o total de denúncias recebidas pela CGE (Controladoria-Geral do Estado) e encaminhadas ao Ministério Público, responsável pela investigação.

As cidades da região oeste somam 39 denúncias, das quais oito são de Cascavel. Segundo o Ministério Público, dessas denúncias, duas já tramitam em esfera judicial após a confirmação de irregularidade; duas foram arquivadas, em razão de os pacientes estarem em grupos corretos e quatro denúncias estão sendo investigadas pela Promotoria.

Em Cascavel, um dos casos de maior repercussão aconteceu logo no início da vacinação, quando apenas profissionais da saúde da linha de frente estavam sendo imunizados. Uma servidora lotada na Secretaria de Esportes foi vacinada sem constar na lista. Ela chegou a ser exonerada, mas precisou ser readmitida para passar por processo administrativo. A servidora que aplicou a dose também é investigada. As sindicâncias estão em andamento. As primeiras audiências das servidoras estão marcadas para o dia 5 de abril.

 

Principais tipos

Segundo a CGE-PR, as principais denúncias registradas são de familiares de políticos locais que estão sendo vacinados e de pessoas que não estão no grupo prioritário de trabalhadores da saúde e são inseridas nele de forma irregular.

Conforme a controladoria, muitas denúncias não chegam com a quantidade e a qualidade de informações necessárias para a devida investigação, algumas nem mesmo a cidade informam, o que atrapalha na verificação dos fatos.

 

Paraná sem fura-fila

A CGE passou a ofertar aos paranaenses a estrutura de ouvidoria para que as denúncias fossem centralizadas no órgão e facilitasse as consultas, já que no site é possível visualizar as informações por cidade, por regional, por macrorregional e também há um termômetro das localidades com mais casos denunciados.

Até a tarde de quinta-feira (1º), o site apresentava 39,1% dos 399 municípios com casos de fura-fila, o que representa 156 cidades.

As cidades com maior quantidade de denúncias são Curitiba, com 123 denúncias; Maringá, com 27 e Londrina, com 25 casos registrados.

 

Serviço

O cidadão pode fazer a denúncia pelos telefones 0800 041-1113 e (41) 3883-4014, que atende pelo aplicativo WhatsApp. Pela internet, há um botão específico no portal www.coronavirus.pr.gov.br, mas também podem registrar a manifestação no site da CGE (www.cge.pr.gov.br), na aba Ouvidoria. Se preferir usar e-mail, o denunciante deve enviar o material para [email protected].