Líder nacional: Fiep cobra medidas de estímulo à economia

Paraná teve o maior crescimento em maio; mas indústria dá sinais de estabilização

Curitiba – Mesmo com evolução praticamente estável em maio, o Paraná é o estado brasileiro que mais se destaca em termos de produção industrial nos primeiros cinco meses de 2019. Levantamento mensal divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nessa sexta-feira (12) aponta que, de janeiro a maio, a indústria paranaense produziu 10,4% a mais do que no mesmo período do ano passado. O desempenho é impulsionado principalmente por setores atrelados ao agronegócio e à fabricação de veículos.

O resultado é bastante superior à média nacional: no período, a indústria brasileira acumula queda de 0,7%. Além do Paraná, os outros dois estados da Região Sul vêm registrando crescimentos na contramão da tendência do país. O Rio Grande do Sul teve aumento de 8,8% na produção industrial, enquanto em Santa Catarina a alta foi de 6,1%.

No Paraná, os segmentos que contribuem para o forte crescimento no ano são justamente os mais representativos na composição da produção industrial do Estado. Entre eles, o automobilístico, com alta de 29% em comparação com o mesmo período de 2018. Esse segmento inclui tanto automóveis quanto caminhões para reboques e semirreboques. Também tiveram destaque o setor de máquinas e equipamentos, que inclui maquinário para colheita, com aumento de 28,9%, e de produtos alimentícios, que registra alta de 13%.

Estabilização

Apesar do incremento de 10,4% de janeiro a maio de 2019, a produção industrial paranaense começou a dar sinais de estabilização nos últimos meses. Em abril, na comparação com março, o crescimento havia sido de apenas 0,4%. Já em maio, em relação ao mês anterior, a alta foi de 0,7%. Ainda assim, o Paraná foi uma das sete das 15 regiões pesquisadas que tiveram resultados positivos no mês.

Para o presidente da Fiep (Federação das Indústrias do Paraná), Edson Campagnolo, a desaceleração dos últimos meses pode estar relacionada com a demora para a aprovação de reformas estruturantes, que estavam previstas para o início do ano: “Mesmo com um cenário de maior otimismo em 2019, a demora e as incertezas em torno da votação das reformas fizeram com que muitos industriais ainda relutassem em colocar em prática seus investimentos”, afirma. “Isso reforça ainda mais a importância da aprovação da Reforma da Previdência, que começou a ser encaminhada nesta semana. É uma sinalização importante, que vai servir para recuperar a confiança dos empreendedores”.

Campagnolo diz ainda que, para o restante de 2019, a manutenção do crescimento da produção industrial paranaense em patamares elevados vai depender também da intensidade da adoção de outras medidas de estímulo à atividade econômica. “Além da aprovação de outras reformas, em especial a Tributária, é importante que sejam implantadas iniciativas como a redução da taxa de juros e a facilitação de acesso ao crédito, fatores que também vão estimular a retomada dos investimentos industriais. Com o desemprego ainda em alta, esse é o caminho para que se criem novos postos de trabalho e, assim, o mercado consumidor também volte a se aquecer, criando um ciclo que vai impactar na produção industrial”, conclui o presidente da Fiep.

Ano passado

Na comparação com maio do ano passado, 12 dos 15 locais pesquisados tiveram alta, com destaques para os três estados do Sul: Paraná (27,8%), Rio Grande do Sul (19,9%) e Santa Catarina (19,3%). Entre os três locais com queda, o recuo mais intenso foi no Espírito Santo (-17,4%).

No acumulado do ano, oito locais tiveram alta, com destaque também para os três estados do Sul: Paraná (10,4%), Rio Grande do Sul (8,8%) e Santa Catarina (6,1%). Sete locais tiveram queda, a maior delas no Espírito Santo (-11,8%).

No acumulado de 12 meses, oito locais pesquisados tiveram altas, com destaque, mais uma vez para Rio Grande do Sul (9,2%), Paraná (6,3%) e Santa Catarina (5%). Dos sete locais em queda, o maior recuo foi observado no Espírito Santo (-4,1%).



Fale com a Redação

5 − três =