Dois homens incendiaram veículos públicos da prefeitura de Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba, na madrugada desta quinta-feira (2). Ao menos 13 veículos foram destruídos pelas chamas.

A prefeitura informou que os dois homens renderam vigias que ficam em um pátio da Secretaria Municipal de Obras, por volta das 2h. Em seguida, os criminosos atearam fogo em veículos, como ônibus.

O município estima que o prejuízo seja de R$ 7 milhões. Três ônibus foram destruídos, incluindo veículos para transporte de 89 crianças com deficiência.

Incêndio destruiu veículos da prefeitura de Campo Magro — Foto: Tony Mattoso/RPC

Durante a madrugada, funcionários da prefeitura foram chamados e conseguiram retirar alguns veículos do pátio, como caminhões e maquinário.

O Corpo de Bombeiros foi chamado e conseguiu controlar as chamas. Após o incidente, o policiamento na cidade foi reforçado, de acordo com o comandante-geral da PM, Hudson Leôncio Teixeira.

Investigação

 

O prefeito Cláudio Casagrande (PSD) acredita que o incêndio tenha sido motivado por uma retaliação a um confronto que deixou uma pessoa morta, na cidade. O gestor afirmou ainda que vândalos picharam órgãos públicos do município com mensagens sobre o caso.

A hipóteses é considerada também pelas policiais Militar e Civil.

“Foram coletadas algumas evidências que serão confrontadas com dados que possuímos. Tudo leva a crer que se trata de uma retaliação a uma ação policial efetuada na noite anterior, contendo, inclusive, no local, algumas ameaças a órgãos públicos por parte dessa quadrilha”, disse o delegado Cassiano Aufiero.

Delegado fala sobre incêndio a ônibus e veículos da Prefeitura de Campo Magro

O comandante-geral da PM, Hudson Leôncio Teixeira, afirmou que o confronto mencionado pelo prefeito está ligado à suspeita de tráfico de drogas.

Ainda conforme o comandante, com o suspeito morto foi encontrada uma pistola 380 que, possivelmente, aparece em fotos publicadas pelos suspeitos em redes sociais.

“Esse rapaz contava com passagens por homicídio, por tráfico de drogas e ameaça. Essa é uma ocorrência que foi aberto inquérito policial militar para apurar a conduta das equipes durante confronto. Os crimes praticados por esses civis serão apurados pela Polícia Civil”, complementou Teixeira.

De acordo com o comandante, a Polícia Civil e a Polícia Militar atuarão em uma operação integrada para identificar os suspeitos do incêndio.

Prejuízo causado pelo incêndio é de R$ 7 milhões — Foto: Amanda Menezes/RPC

Prejuízo causado pelo incêndio é de R$ 7 milhões — Foto: Amanda Menezes/RPC

(G1 Paraná)