Em dois meses, Paraná abre 1.261 vagas no sistema prisional

Em dois meses, o Governo do Paraná, por meio do Departamento Penitenciário, abriu cerca 1.261 novas vagas no sistema prisional do Estado. São vagas em unidades penais de progressão, nas quais os presos trabalham e estudam em tempo integral. Só nesta semana foram abertas 300 vagas com a inauguração de quatro unidades penais de progressão no Interior: Maringá, Paranavaí, Cruzeiro do Oeste e Francisco Beltrão.

Unimed

Além dessas quatro cidades, já foram inauguradas unidades de progressão em Foz do Iguaçu (248 vagas em penitenciária feminina), Ponta Grossa (140 para homens), Cascavel (143 para homens) e Guarapuava (220 masculinas) e Londrina (160 para homens e 60 para mulheres).

PROGRESSÃO

Resultado de uma parceria do Governo do Estado com o Tribunal de Justiça, a unidade de progressão faz parte das ações do projeto Cidadania nos Presídios, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Considerado modelo em tratamento penal no país, a iniciativa atende presos em fase final de cumprimento de pena que se preparam para o retorno do convívio em sociedade.

INAUGURAÇÕES

Em Maringá são 48 vagas para presos que ocuparão uma galeria da Casa de Custódia de Maringá (CCM). Os presos estão passando por uma seleção de perfil e devem ser encaminhados ao local de forma gradativa.  “Já constatamos que o projeto de progressão é extremamente eficiente. Em Curitiba, onde instalamos o projeto-piloto, os resultados comprovam que mais de 90% dos presos atendidos não voltaram a praticar crimes. Por isso, estamos levando essa iniciativa a todas as regiões do Paraná”, afirmou o vice-diretor do Depen, Thorsthein Ferraz, que participou da cerimônia da inauguração.

SUCESSO

Em Paranavaí, a prefeitura do município cedeu o prédio onde foi instalada a Unidade de Progressão da cidade, que atenderá cerca de 40 custodiados. A prefeitura, inclusive, vai contratar parte da mão de obra dos presos para realizar serviços à comunidade.

“Posso garantir que o município fará o que for necessário para que esse projeto seja um grande sucesso”, diz o prefeito da cidade, delegado Caíque. “Esse aprimoramento do tratamento penal é essencial para a população, pois amanhã ou depois esses presos vão retornar para a sociedade”, afirmou ele.

Em Cruzeiro do Oeste, o projeto de progressão foi instalado em uma galeria da Penitenciária Estadual (PECO), e poderá atender até 42 presos. Desses, 36 já foram selecionados para participar da iniciativa. A prefeita do município, Helena Bertoco, esteve presente no evento de inauguração e afirmou que também pretende contar com o trabalho dos detentos para ajudar na conservação da cidade.

Francisco Beltrão foi a última cidade a receber o projeto. Serão destinadas 160 vagas da Penitenciária Estadual (PEFB) para o projeto da ala de progressão. Boa parte desses presos já foi selecionada e estão trabalhando em uma empresa de confecção de roupas, que instalou um canteiro de trabalho dentro da unidade penal.

O diretor do Depen, Francisco Caricati, esteve presente na solenidade e garantiu que a intenção é ampliar o número de vagas para unidades de progressão nos próximos anos. “Esse projeto começa inicialmente aqui em Francisco Beltrão com 160 presos, mas o objetivo é que em alguns anos todos os presos possam ser beneficiados”, afirma Caricati.

NOVAS ESTRUTURAS

Além das unidades de progressão, o Depen instalou nessas cidades o Escritório Social e o Posto Avançado de Monitoração, que oferecerão suporte e serviços aos presos em monitoramento eletrônico.

O Escritório Social oferece atendimento em diversas áreas, como saúde, qualificação, encaminhamento profissional, atendimento psicossocial, assistência jurídica e regularização de documentação civil. Já o Posto Avançado de Monitoração Eletrônica é responsável pela instalação, manutenção e retiradas das tornozeleiras eletrônica.

JK

Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação