São Paulo – O otimismo nos mercados globais com o avanço no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 e a notícia de que Donald Trump começou a abrir a Casa Branca para Joe Biden iniciar o processo de transição do governo deram novo fôlego ao mercado nessa terça, dia em que o Dow Jones ultrapassou, pela primeira vez na história, a marca dos 30 mil pontos. O cenário de apetite aos riscos favoreceu também os ativos locais, com a Bolsa brasileira fechando em alta de 2,24%, aos 109.786,30 pontos, e o dólar encerrando em queda de 1,06%, a R$ 5,3753.

Trump ainda não reconheceu a derrota, mas isso não impediu Biden e sua vice-presidente, Kamala Harris, de apresentaram ontem os primeiros nomes para compor o Gabinete da Casa Branca a partir de 2021, faltando 57 dias para a posse. Eles não fizeram menção à escolha para o Tesouro, que deve ficar sob o comando da ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) Janet Yellen, que já defendeu a necessidade de mais estímulos para a economia americana. O processo de transição foi anunciado pelo atual presidente na última segunda, em sua conta no Twitter.

A notícia, somada ao anúncio pela AstraZeneca de que sua vacina para a covid-19 possui eficácia de até 90%, animou os mercados. Na Europa, Londres, Paris e Frankfurt subiram 1,55%, 1,21% e 1,26% cada. Em Nova York, S&P 500 e Nasdaq ganharam 1,62% e 1,31%, enquanto o Dow Jones avançou 1,54% e fechou aos 30.046,24 pontos pela primeira vez na história.

Com o desempenho dessa terça, o Ibovespa limita a retração no ano a 5,07%, com ganho de 16,85% em novembro, de longe o melhor do ciclo de recuperação iniciado em abril, então a 10,25%.