Curitiba – Os donos de pequenos negócios apresentam melhora no otimismo quanto ao retorno à normalidade da economia. Com a flexibilização do isolamento social em todo o País e o movimento de reabertura dos estabelecimentos em grande parte dos estados, as micros e as pequenas empresas começam a dar sinais de reação diante da crise.

Esse retrato mais favorável é revelado pela sexta edição da Pesquisa de Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae, em parceria com a FGV, de 27 a 30 de julho.

No levantamento, 76% dos 6.506 empresários participantes afirmaram que os negócios voltaram a funcionar, sendo a maioria (63%) de forma diferente da que funcionava antes da crise. A pesquisa também constatou que houve melhora no nível de endividamento dos pequenos negócios. Enquanto no fim de junho 40% dos empresários possuíam empréstimos ou dívidas em atraso, um mês depois, esse percentual caiu para 36%.

A pesquisa colheu dados de empresários de todos os estados, sendo 57% MEI (Microempreendedor Individual), 38% microempresa e 5% empresa de pequeno porte.