O drama das cerca de 170 zeladoras terceirizadas pela Prefeitura de Cascavel para as escolas municipais e os Cmeis (Centros Municipais de Educação Infantil) de Cascavel continua. Após atraso no pagamento dos salários, agora elas estão fazendo as homologações das rescisões trabalhistas na sede do Siemaco (Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio, Conservação e Limpeza Urbana), só que sem receber.

A empresa RR Serviços, contratada para fornecer a mão de obra, abandonou o serviço mês passado alegando estar em dificuldades financeiras, após não fazer o pagamento dos salários.

Ao longo desta quarta-feira (11), serão realizadas 29 homologações.

De acordo com a presidente do Siemaco, Ângela de Oliveira Mereles, serão “rescisões sem pagamento”, já que a empresa não tem o dinheiro para quitar os débitos trabalhistas e a prefeitura não pode fazer o pagamento.

As zeladoras só receberam os salários do mês de julho e o valor referente ao vale-alimentação. O contrato com a terceirizada foi rompido pela prefeitura devido à falta de pagamento.

Às zeladoras que atuavam na RR Serviços não restou alternativa a não ser entrar na Justiça do Trabalho para tentar receber seus direitos como férias e 13º salário.

Temporárias

Por conta do problema, o Município chamou zeladoras temporárias e que foram aprovadas nos últimos testes seletivos. No total, foram chamadas 117, mas apenas 42 compareceram. Ontem, 19 zeladoras da primeira fase da seleção tomaram posse e já estão trabalhando. Outras 23 estão entregando a documentação necessária e devem ser incorporadas ao serviço no dia 20 de setembro.

Antes do chamamento, para amenizar o problema nos Cmeis e nas escolas, zeladoras que trabalhavam no prédio da prefeitura foram remanejadas para a Secretaria de Educação. O Município ainda não definiu um novo processo licitatório para escolher uma nova empresa terceirizada.

Reportagem: Luiz Carlos da Cruz