Foz do Iguaçu – Atendendo aos pedidos da população, a Prefeitura de Foz do Iguaçu retomará o Orçamento Participativo em setembro. Serão cinco encontros com os moradores de todas as regiões da cidade até o início de outubro.

Durante as reuniões, os iguaçuenses poderão escolher, de forma democrática, quais ações prioritárias para os bairros dentro do orçamento disponibilizado pelo Município para 2022.

A primeira edição está programada para o dia 21 de setembro na região sul da cidade, seguindo nos dias 23, na região leste, 27, na região norte, 29, na região nordeste e no dia 4 de outubro, na região oeste.

Suspenso em 2020 por conta da pandemia da covid-19, as edições serão retomadas seguindo todos os protocolos de segurança. “Seguiremos os decretos de prevenção e enfrentamento à covid-19 em vigência no Município, utilizando apenas 50% da capacidade dos espaços”, informou Kelyn Trento, secretária de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, responsável pela organização do Orçamento Participativo. Todos os moradores deverão utilizar máscara e álcool em gel será disponibilizado aos participantes.

“Com o avanço da vacinação no Município e a redução do número de casos de covid-19, o prefeito Chico Brasileiro e o vice-prefeito Francisco Sampaio decidiram antecipar o cronograma, atendendo a uma demanda dos moradores”, explicou a secretária. Os locais estão sendo definidos pela Secretaria de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade.

 

O que é

A primeira edição do Orçamento Participativo aconteceu em maio de 2019, na região do Porto Meira, e contou com a participação de 250 moradores. As edições seguiram nas demais regiões da cidade, com ampla participação popular, chegando a 600 pessoas na última edição, em agosto de 2019, na região de Três Lagoas.

As áreas de educação, saúde, meio ambiente, esporte e pavimentação foram as que apresentaram maior demanda nas obras escolhidas pelos moradores. As obras civis e de pavimentação da própria prefeitura representam R$ 90 milhões em investimentos.

Na lista de obras estão a reforma e a construção de unidades de saúde, escolas, creches, quadras, unidades de recicláveis, praças, campos de futebol, playgrounds, academias infantil e de terceira idade.

De acordo com o prefeito, a proposta é criar e manter uma cultura participativa, onde o morador tenha voz. “Estamos criando uma cultura participativa, para que independentemente de quem for o governante, ela se mantenha como uma ferramenta de gestão”.