Rio de Janeiro – Com o consumo de combustíveis subindo, a Petrobras reverteu o prejuízo do segundo trimestre de 2020 e registrou lucro de R$ 42,85 bilhões, no período de abril a junho deste ano, num crescimento de 3.572% sobre o mesmo período do ano passado.

A valorização do petróleo também ajudou a empresa. O barril da commodity do tipo brent, negociado na Europa e usado como referência pela estatal, ultrapassou o patamar de US$ 70. Além disso, a companhia contou com a ajuda da valorização do real frente ao dólar para reduzir o endividamento, já que a maior parte dos seus compromissos é atrelada à moeda americana e a sua receita é pautada pelo real.

Num breve comentário do resultado, o presidente da companhia, general Joaquim Silva e Luna, salientou o caráter técnico da empresa e não político. “Continuamos trabalhando duro, amparados em decisões absolutamente técnicas; evoluindo e tornando-nos mais fortes para melhor investir, suprir um mercado cada vez mais exigente e gerar prosperidade para nossos acionistas e para a sociedade”, afirmou.

A fala do presidente da companhia reforça a tese de que a empresa não atua seguindo os interesses do presidente da República, Jair Bolsonaro, que acenou, recentemente, para um subsídio da estatal ao botijão de gás.