Foz do Iguaçu – O Paraná lançou oficialmente nessa terça-feira (4), no Palácio Iguaçu, o 21º Encob (Encontro Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas), evento que ocorrerá de 21 a 25 de outubro de 2019 em Foz do Iguaçu. Promovido pelo Fórum Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas, o Encob tem apoio institucional do governo do Paraná.

O objetivo é assegurar que os Comitês de Bacias identifiquem as oportunidades e os desafios para a promoção da gestão integrada das águas, de olho na sustentabilidade dos recursos hídricos, além de integrar os organismos e segmentos que participam do Sistema Nacional de Recursos Hídricos.

Segundo o secretário estadual do Meio Ambiente, Antonio Carlos Bonetti, a promoção do Encob é a chance para que administradores públicos discutam os cenários futuros dos recursos hídricos no Brasil.

O Encob, além de ser o evento de águas com o maior número de participantes do País, possui grande abrangência, tendo em vista o envolvimento dos mais diversos segmentos da sociedade, aqueles representados na composição dos Comitês de Bacias.

Desde 1999, o Encontro é organizado todos os anos pelo Fórum Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas, com o apoio institucional do estado sede. O público-alvo é formado por representantes do poder público municipal, estadual e federal, Usuários, ONGs, Universidades, e interessados no tema.

Proteção de fontes e nascentes

Em Guaraniaçu está sendo desenvolvido um programa de recuperação de nascentes numa parceria entre a prefeitura e a Itaipu Binacional, na qual a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente entra com materiais e assistência técnica e a Itaipu, depois de pronta, visita as proteções e realiza o cadastro por meio de pontos de GPS e repassa ao Município o valor de R$ 540 por proteção.

O programa atende pequenos agricultores que tenham dificuldades em obter água de qualidade. Mas o objetivo principal é preservar o meio ambiente, incentivando a todos a preservar as nascentes.

Após solicitação para aderir ao sistema, o técnico da Secretaria de Agricultura responsável pelo programa, Luis Carlos Amaral, visita a propriedade e verifica a situação da nascente. Se ela se enquadrar, o agricultor tem que fazer a limpeza do local, arrumar pedras, terra, cercar e depois plantar as mudas de árvores nativas. Ele também ajuda na execução dos trabalhos.

Segundo o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Leandro Rigo, depois de agendado, o técnico leva o material necessário à propriedade, reúne os envolvidos e explica os procedimentos corretos e, com os agricultores, faz os procedimentos.

Já foram feitas dez proteções e existem outras agendadas. Neste primeiro momento devem ser atendidas 30 famílias.