POLÍTICA

Novas provas e testemunhas complicam Lula

24 de março de 2018 às 11:10
Publicidade

Curitiba – Além de responder a um processo referente à compra de um terreno para o Instituto Lula, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu em mais um processo em Curitiba, sob os cuidados do juiz federal Sergio Moro. A denúncia do MPF (Ministério Público Federal) aponta que o petista é o dono de um sítio em Atibaia, que teria sido reformado por empreiteiras como forma de pagamento de propina ao ex-presidente. O imóvel está em nome de laranjas, segundo os procuradores, mas há uma série de elementos que ligam Lula ao imóvel. As informações são da Gazeta do Povo.

Para começar, em 2016 a PF (Polícia Federal) fez uma perícia no sítio, depois da deflagração da Operação Aletheia, que teve Lula como alvo, e concluiu que só havia objetos pessoais do ex-presidente e sua família em todo o imóvel, reforçando a tese do MPF. Ao aceitar a denúncia, em agosto do ano passado, Moro listou nove elementos que o MPF já havia conseguido apontar na denúncia que reforçavam a ligação de Lula com o sítio em Atibaia.

Dentre os elementos, o magistrado citou a proximidade da família do ex-presidente com os proprietários formais do sítio, Fernando Bittar – que também é réu no processo – e Jonas Suassuna e os pertences da família do ex-presidente espalhadas pelo imóvel. Além disso, Moro destacou a instalação de câmeras de segurança no local por parte dos agentes de segurança de Lula.

Moro também entendeu que o fato de carros do ex-presidente terem comparecido cerca de 270 vezes ao imóvel entre 2011 e 2016 é um indicativo de que o petista é o real dono da propriedade. No processo, o MPF também mostra uma série de mensagens trocadas entre o caseiro do local e o Instituto Lula e e-mails sobre o sítio encaminhados a auxiliares do ex-presidente. A PF também encontrou a escritura de compra e venda do sítio na casa de Lula, em São Bernardo do Campo, na deflagração da Operação Aletheia, além de notas fiscais em nome de seus auxiliares e executivos da Odebrecht, todas ligadas a itens do sítio.

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE