Foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

A Itaipu Binacional, localizada na fronteira entre Brasil e Paraguai, fechou o mês de julho de 2021 com uma produtividade de 1,1221 megawatt médio por metro cúbico por segundo (MWméd/m³/s), o maior índice de todos os tempos para um único mês. Isso significa dizer, na prática, que a usina utilizou a água, matéria-prima para produção de energia, da forma mais proveitosa possível ao longo do mês – uma conquista importante, especialmente quando o País atravessa uma crise hídrica.

O recorde anterior tinha sido no mês passado (junho/2021), com 1,1174 MWmed/m³/s. A produtividade é um índice calculado pela relação entre a quantidade de energia gerada e a vazão turbinada (o volume de água que passou pelas unidades geradoras, medido em metros cúbicos por segundo).

Segundo o superintendente de Operação da usina, José Benedito Mota Junior, a estiagem demanda ações das equipes binacionais de Operação para que a Itaipu continue atendendo os requisitos energéticos do Brasil e Paraguai da forma mais eficiente possível, procurando gerar energia no melhor ponto de operação das unidades geradoras, no qual o consumo de água é menor.

“Estas ações, algumas vezes, resultam na necessidade de uma otimização no número das unidades geradoras em operação, de forma que permaneçam a maior parte do tempo na região de maior rendimento”, explica o superintendente. É aí que entra em foco o trabalho eficiente executado pelas equipes binacionais de Manutenção, permitindo que as máquinas estejam disponíveis para a realização dessas manobras.

“A parceria e a integração entre as equipes técnicas binacionais da usina são vitais para o aproveitamento máximo da produtividade das unidades geradoras, mantendo os altos índices de disponibilidade operativa, permitindo a pronta resposta ao atendimento das necessidades do Brasil e Paraguai”, diz José Benedito.

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, parabenizou as equipes pela dedicação e pelo desempenho. “Vejo que Itaipu está fazendo a sua parte para apoiar o País nesse momento importante, observando as orientações do Ministério de Minas e Energia e do Operador Nacional do Sistema para superarmos o quanto antes esse cenário hídrico tão difícil”, concluiu.