Tiveram início nesta quinta-feira (08), em Foz do Iguaçu, os atendimentos do Consultório na Rua, programa que levará serviços da Atenção Primária à população em situação de vulnerabilidade social. A ação é desenvolvida pela Secretaria de Saúde em parceria com a Secretaria de Assistência Social e apoio da Unila (Universidade Federal da Integração Latino Americana).

A equipe multidisciplinar, formada por uma médica, enfermeiros, assistente social, técnico de enfermagem, técnico em saúde bucal, psicólogo e educador social, começou o trabalho pela região do Jardim São Paulo, nas proximidades da Praça da Bíblia, e seguiu para a região da Vila Portes. O intuito, conforme explicou a coordenadora do programa, Larissa Menezes, é fazer o acolhimento destas pessoas e entender as principais necessidades delas.

“Vamos ao encontro dessa população, fazendo a acolhida e oferecendo os serviços. Casos mais específicos serão conduzidos a unidade de saúde mais próxima. A Secretaria de Assistência Social trabalha junto com a gente nos trazendo os cadastros das pessoas atendidas pelas casas de passagem. Hoje sabemos que existem cerca de 300 pessoas cadastradas”, comentou.

O consultório atenderá de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, com possibilidade de escalas alternativas.

Para a secretária de saúde, Rosa Maria Jerônymo, a implantação do Consultório na Rua é uma conquista para o município. “Levar saúde de qualidade para a população em situação de rua é garantir os direitos humanos. É uma grande conquista para todos e espero que façamos um grande trabalho” declarou Rosa em conversa com a equipe.

“Sabemos que essas pessoas geralmente não possuem documentos e têm dificuldade de acessar uma unidade de saúde. Elas precisam ser acolhidas e ter um atendimento digno”, completou.

A estratégia Consultório na Rua foi instituída pela Política Nacional de Atenção Básica, em 2011. Esta é a primeira vez que Foz do Iguaçu faz a adesão ao programa.

Os atendimentos poderão ser ofertados também nas casas de passagem mantidas pelo município. Serão ofertados serviços básicos, como vacinação, testes rápidos, curativos, administração de medicamentos, processos terapêuticos e encaminhamentos para especialidades.

As equipes também aplicarão a vacina contra a Covid nas pessoas que ainda não receberam a dose. “A vacinação continua, mas vamos fazer também a testagem rápida, identificar as principais doenças que atingem essa população. Organizamos a rede para atender essas pessoas de uma forma acolhedora, que é fundamental”, concluiu Rosa.