Um ciclone extratropical se forma nesta quinta-feira (24) na região Sul e há expectativa para mais chuva com ventos fortes até o fim da semana. As previsões indicam a formação do ciclone extratropical mais ao sul, portanto a chuva mais forte fica concentrada no Uruguai.

O ciclone extratropical provoca grandes volumes de chuva no país vizinho e em algumas cidades gaúchas que fazem fronteira com o Uruguai. 

A área de baixa pressão que dará origem ao ciclone já começa a atuar nesta quarta-feira (23) na costa do Rio Grande do Sul. O sistema não deve provocar muita chuva, mas os ventos já podem chegar aos 70km/h na maior parte do estado e aos 80km/h no litoral sul.

Há risco de algumas cidades, tanto uruguaias quanto do Rio Grande do Sul, registrarem mais de 100mm em até 24 horas com grande potencial para alagamentos e deslizamentos.

Paraná

Na sexta-feira o ciclone se desloca para sul e se afasta da costa brasileira, e a frente fria associada também perde força. Com isso, o estado do Paraná segue sem risco para grandes temporais. A previsão é de pancadas de chuva que podem ser moderadas no sul e em parte do leste do estado.

Outra área de instabilidade avança do interior do continente no fim de semana com potencial para provocar chuva forte no oeste paranaense.

 

Granizo

Além da chuva, há risco de granizo e os ventos podem chegar aos 100km/h no Rio Grande do Sul, por isso é alto o risco para destelhamento, quedas de árvore e de postes (assim como queda de energia) em todo o estado, principalmente nas áreas mais centrais.

Nova frente fria se forma

O ciclone dará origem a uma nova frente fria durante a quinta-feira, que reforça as instabilidades e também ajuda a provocar temporais nos outros estados da Região. Em Santa Catarina o risco para temporais começa entre a manhã e a tarde no oeste do estado, com fortes rajadas de vento e potencial para granizo. No decorrer do dia, a frente fria espalha os temporais nas demais áreas de Santa Catarina até chegar no leste do estado entre a tarde e a noite. A Grande Florianópolis deve ser atingida novamente por fortes temporais com rajadas de vento acima de 60km/h que podem provocar mais transtornos, como quedas de árvores, alagamentos e deslizamentos, já que o solo está encharcado.

Mar agitado

Com os fortes ventos provocados pelo ciclone, o mar fica muito agitado entre a costa gaúcha e catarinense. Entre quarta e quinta-feira as ondas podem chegar e até mesmo passar dos 3 metros de algumas em algumas praias. Além da ação dos ventos, a lua cheia (que começa no dia 24 de junho) deve favorecer o avanço do mar nas parias provocando ainda mais transtornos no litoral.

Fonte: Climatempo