O mercado brasileiro ficou no negativo, após a Câmara dos Deputados optar por adiar para a próxima terça (17) a votação da reforma do Imposto de Renda. Entre inúmeras idas e vindas de formato desde que o projeto veio a público, o mercado ainda espera conhecer o modelo que será submetido à votação. Em resposta, a Bolsa brasileira (B3) fechou em queda de 1,11%, aos 120.700,98 pontos – menor nível de encerramento desde 12 de maio, enquanto no câmbio, o dólar teve alta de 0,67%, cotado a R$ 5,2564.

Na semana, o Ibovespa acumula queda de 1,72%, enquanto no mês, cede agora 0,90%. O clima negativo do mercado brasileiro foi na contramão do bom humor de Nova York, com Dow Jones e S&P 500 subindo 0,04% e 0,29% cada, o suficiente para baterem um novo recorde de fechamento. O Nasdaq teve ganho de 0,35%. O desempenho foi influenciado pela queda de 12 mil nos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos na semana encerrada em 7 de agosto.