Brasília – A balança comercial brasileira de junho teve superávit de US$ 10,372 bilhões, maior resultado já registrado desde o início da série histórica, em 1989. As exportações somaram US$ 28,104 bilhões e as importações, US$ 17,732 bilhões.

O ótimo resultado está relacionado ao aumento da demanda mundial por commodities, produtos como alimentos, petróleo e minério de ferro, dos quais o Brasil é um dos grandes exportadores.

Em comparação com junho do ano passado, as vendas para a Ásia, por exemplo, cresceram 50,6%. Para a Europa, o aumento foi de 70,34%. De acordo com o Ministério da Economia, houve aumento de 59,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o superávit foi de US$ 6,5 bilhões.

No acumulado dos seis primeiros meses deste ano, a balança teve saldo positivo de US$ 37,5 bilhões, valor 68,2% maior que o registrado no mesmo período de 2020: US$ 22,3 bilhões. As exportações totalizaram US$ 136,743 bilhões, e as importações, US$ 99,247 bilhões.

Na comparação de junho de 2021 com o mesmo período do ano passado, o desempenho dos setores pela média diária registrou crescimento de US$ 58,11 milhões (24,9%) em Agropecuária; de US$ 278,08 milhões (175,8%) em Indústria Extrativa e de US$ 166,8 milhões (38,1%) em produtos da Indústria de Transformação.

Esse movimento de aumento nas exportações foi puxado, principalmente, pelo crescimento nos seguintes produtos: soja (+23,6%, com aumento de US$ 48,22 milhões na média diária); café não torrado (+ 45%, com aumento de US$ 6,03 milhões na média diária); algodão em bruto (+ 111,4%, com aumento de US$ 4,44 milhões na média diária); frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (+ 43,8%, com aumento de US$ 1,10 milhão na média diária) e madeira em bruto (+ 841,6%, com aumento de US$ 0,97 milhão na média diária).