Ao assumir o primeiro mandato como vereador, Serginho Ribeiro presidiu durante dois anos a Comissão de Economia e Finanças da Câmara de Vereadores: uma das mais importantes.

Seu envolvimento com a cultura auxiliou a conquista de uma cadeira no Legislativo, mas o envolvimento com o Rocão – evento de rock voltado a angariar fundos para cães de rua – fez dele um porta-voz das defesas de animais abandonados.

Mesmo tendo pedido votos a Marcio Pacheco (deputado estadual reeleito) durante as eleições municipais, Serginho não poupa elogios ao prefeito Leonaldo Paranhos, em plenário e fora dele. O vereador diz que isso é resultado de uma independência política existente no mandato.

Para a mudança política, Serginho ressalta que a mudança tem que partir de todos, inclusive do eleitor.

Em seu gabinete, ele confirma que diariamente recebe pedidos de doações, cestas básicas e até cargos.

HojeNews – Como avalia os resultados com o Legislativo?

Serginho Ribeiro – Quando nos elegemos temos uma visão do Legislativo… dos orçamentos, das possibilidades em políticas públicas. Tivemos um avanço significativo na saúde animal. Houve desenvolvimento de políticas públicas nesse sentido por meio de apoio do Executivo municipal primeiro em relação à castração. Teremos o Castramóvel e um veículo para se deslocar e recolher animais atropelados e levá-los a universidades parceiras com atendimento ambulatorial. As organizações não governamentais trabalharam além do que podiam, muitas arcando as dívidas por meio de bingos, com o Rocão…

HojeNews – Foram muitos anos de abandono nessa questão…

Serginho – Os cães ficaram abandonados por muitos anos, com isso tivemos um crescimento populacional de animais de rua em Cascavel. Faltou política pública de castração para evitar isso.

HojeNews – Com seu envolvimento na cultura, qual sua avaliação do setor?

Serginho – Nesta administração, conseguimos R$ 30 milhões no orçamento para Cultura e Esporte – o que é uma conquista, pois anteriormente não havia nada previsto. Tivemos, enquanto Legislativo, 11 projetos aprovados e estamos atuando firmemente na fiscalização, sem acusações, qualquer tipo de desvio e situação que acontece nessa sacanagem política, que é a devolução de dinheiro do assessor ao vereador. Jamais em minha vida. Então fico grato. Tenho tranquilidade de votar na maneira que acredito ser importante para o crescimento da nossa cidade.

HojeNews – Como avalia sua relação com Paranhos, após ter apoiado Marcio Pacheco?

Serginho – [Paranhos] Não é o prefeito que eu estive junto na campanha, mas acredito na política pública que ele propõe. Há problemas? Há! Mas a população também tem que entender qual é o interesse público. Meu bem maior não é pessoal, tem que ser o coletivo.

HojeNews – Agora na metade do seu primeiro mandato, nos diga: está satisfeito com a política?

Serginho – Tenho vontade de trabalhar e estou firme e forte. A decepção é com a cultura brasileira da política. Isso tem que mudar. Como a população vê a política, qual o papel do vereador? Será que é ficar pagando rifas? Será que é ficar pagando contas particulares?

HojeNews – Existem muitos pedidos?

Serginho – Chegam muitos… “quero que me ajude em tal situação”. Pedem um “espaço dentro de algum local”, se consigo favorecimento com cesta básica – se tem um departamento para esse fim. Meu mandato é sério. Podemos ajudar de que maneira? Com informações, mas não no gabinete do vereador, jamais. A política é um espelho: o eleitor tem que ser sério. Não adianta ter políticos sérios com eleitores corruptos.