Cascavel – Itaipu Binacional e parcerias já trabalham firme, segundo o presidente da Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel), Edson de Vasconcellos, nas alterações do plano-diretor para a estrutura do Aeroporto Regional do Oeste.

Segundo o presidente da Acic, a expectativa é para que todas essas alterações sejam concluídas até novembro, findando assim um passo importante a ser dado, ainda neste ano. Com a conclusão desse documento fica liberado o processo para desapropriação da área de 64 alqueires cujos valores de R$ 10,5 milhões já foram depositados pela governadora Cida Borghetti ainda em julho passado. “Tudo começa a acontecer com a conclusão do plano-diretor que nos coloca no plano aeroviário do Estado. Aí a comissão que trata do assunto na região senta com os proprietários da área para tratar da desapropriação”, reforçou.

Apesar de esse importante passo estar relativamente próximo, o caminho burocrático a ser percorrido é longo. Todos os processos legais, desde a alteração do plano, mudança no plano aeroviário do Estado até os estudos sociais, econômicos e ambientais e a obtenção de licenças ambientais, deverão levar, pelos prazos legais previstos hoje em cronograma, cerca de dois anos e meio.

Somente o projeto de engenharia levará 240 dias para ser elaborado, mas ele começa a contar no chamado marco 90, de 90 dias a partir do início dos trabalhos fixados pelo plano diretor. Esses 90 dias devem ser exauridos em outubro contando então, a partir disso, os 240 dias seguintes.

Segundo Edson Vasconcellos, são nove etapas a serem vencidas com todo o processo em andamento.

Isso porque a construção do Aeroporto Regional é uma obra para longo prazo. Estima-se que sua operação, com os recebimentos dos primeiros voos comerciais em cerca de uma década. “Isso não tira a importância do Aeroporto Municipal de Cascavel hoje, mas devemos fazer uma analogia. Um dia a prefeitura estava no centro da cidade e precisou sair dali porque não cabia mais naquele espaço, o mesmo ocorre com o aeroporo”, destacou.

Bandeira regional antiga, o Aeroporto Regional é uma luta de líderes do oeste há mais de cinco décadas. Ainda não se sabe se sua edificação ocorrerá com recursos públicos ou se envolverá uma PPP (Parceria Público-Privada).