COTIDIANO

Alerta: “minuto de festa pode se transformar em uma tragédia irreversível”

12 de maio de 2022 às 08:08
Publicidade

 

Cascavel – Altair Antônio Alves, paratleta de Cascavel e colaborador do Cotrans (Comitê Intersetorial de Prevenção de Acidentes de Trânsito de Cascavel)/PVT (Programa Vida no Trânsito) em ações educativas de conscientização sobre os riscos de se associar álcool e direção, participou ontem (11), na Avenida Tancredo Neves, de mais uma atividade de conscientização da Transitar para um trânsito mais seguro.

A caixa de abordagem foi montada em via que recebe condutores da cidade e da região, como parte do Movimento Maio Amarelo, o qual está focado na prevenção da vida com cronograma até o dia 31. E o álcool, assim como o excesso de velocidade, estão entre os fatores que lideram as estatísticas mais trágicas.

“Um minuto de festa e alegria pode se transformar rapidamente em tragédia e acidente com causas irreversíveis, como morte ou sequelas para o resto da vida”, conta Altair, que por dirigir alcoolizado e sem cinto, no ano de 2008, viu morrer um amigo, ficou com sequelas e preso a uma cadeira de rodas, perdeu o emprego e o casamento. “As coisas acontecem. É real. Sou a prova viva de que isso pode deixar marcas irreversíveis”, alerta.

Altair orienta a não fazer o mesmo. Diz que não se deve dirigir após consumir bebida alcóolica em nenhuma hipótese”. Hoje, transformou a imprudência em lição e o testemunho já mudou algumas vidas, o que traz acalento para a dele. “Compartilho a experiência em grupos de apoio, em minicursos com apenados por crime de trânsito, em ações educativas para que ninguém precise passar por isso. Muita gente já pegou minha história como exemplo e mudou de direção e isso me motiva a continuar”.

 

Esforços pela vida

“Juntos Salvamos Vidas” é o tema do Maio Amarelo deste ano e é assim que muitos condutores que passaram pela abordagem manifestaram pensar também. José Adalto contou que as multas deveriam inclusive ser mais severas para todas as infrações, além do álcool, pois muita gente anda distraída no celular ameaçando a vida. Contou que orienta os filhos também a nunca beber e dirigir ou não pegar carona com quem bebeu. “O carro é uma arma e é necessário cuidar. É preciso conscientização permanente para evitar mais mortes”.

Hilário Leopoldo Huber disse que as ações devem ser constantes porque falta conscientização e empatia. “O trânsito é de todo mundo, inclusive do pedestre, que deve estar mais atento”.

Problema de saúde pública que reflete diretamente na violência no trânsito, a embriaguez ao volante é foco permanente de trabalho dos órgãos de segurança e trânsito de Cascavel, integrando os pilares de educação e fiscalização, cujo foco na Lei Seca, foram intensificados este ano e já resultaram num aumento de pelo menos mais de 140 autuações nesse primeiro quadrimestre no que se refere a igual período de 2021.

De janeiro a abril a Transitar autuou 162 condutores, sendo 151 por dirigir sob influência de álcool (Artigo 165 do CTB), e 11 por recusar-se a ser submetido a teste de etilômetro (artigo 165-A). Somente no fim de semana de 18 e 19 de março, por exemplo, a média de infrações das operações foi de mais de 70% por embriaguez ao volante. No primeiro quadrimestre de 2021, houve um total de 20 autuações.

 

“O foco é sempre evitar tragédias e preservar a vida, seja com ação educativa e também com fiscalização”, destaca a coordenadora do Cotrans/PVT em Cascavel, Luciane de Moura, que também é encarregada do setor de Educação e Cidadania da Transitar. “A ação de hoje buscou sensibilizar e alertar para evitar mais tragédias, pois nota-se que os condutores, culturalmente, independente de idade ou classe social, ainda desacreditam no efeito do álcool”.

 

Foto: Secom/Transitar

 

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE