Cascavelenses que representaram o País no Campeonato Mundial de Karatê Tradicional no Canadá, de 22 a 28 de outubro, na cidade de Newfoundland, João Carlos Chiocca Martelli e Volmir Maziero (foto) já estão de volta em casa. Eles chegaram na tarde de terça-feira muito mais experientes na modalidade, depois de terem competido entre os 400 melhores caratecas dos 28 países participantes da competição.

Volmir, de 49 anos, competiu no Kata (luta imaginária) com 60 atletas e não conseguiu somar pontos para avançar de fase como um dos 30 primeiros da classificação, mas adquiriu um conhecimento extra a ser compartilhado com seus alunos na academia Dojô de Karatê Shotokan.

“Treinei dois dias com os melhores professores do mundo e consegui rever alguns movimentos e também ver que não estamos tão longe das potências do esporte”, explica Volmir, que no Mundial participou de um curso que o tornou árbitro internacional. “Vou ensinar aos alunos como um árbitro vê as disputas, para que possam pontuar melhor. O ensinamento repassado pelo José Humberto [cuiabano faixa-preta 7º Dan] foi muito importante. agradecemos também nossos apoiadores: Palotina Esportes, Univel, Fundação Eliberto Stein, Vita Flora, Chácara do Fritz, Jeferson Valientte, Família Seibert, Rodízio Churrascaria, Postos Tamburi, Distribuidora Fada, Hospital dos Olhos de Cascavel, Cia do Volante e Floricultura Sempre Verde”, continua.

Quinto no mundo

Já João Carlos Martelli, de 45 anos, competiu no Fuku-GO (misto de Kata e Kumite) com outros 24 caratecas e conseguiu vencer os dois primeiros desafios, sendo derrotado no terceiro pelo técnico da seleção da Polônia, que terminou campeão e viu sua equipe terminar em primeiro na classificação por países, seguido por Canadá e Brasil, respectivamente. Com seus resultados, João Carlos terminou em quinto na classificação individual. Paralelo ao Mundial adulto, foi realizado o Mundial Sub-13, no qual o Brasil terminou campeão no Canadá.