Governo e deputados definem obras prioritárias para o Paraná

Serão investidos R$ 375 milhões na contratação dos projetos executivos.

Representantes do Governo do Estado se reuniram nesta quarta-feira (29) com os deputados da base de apoio para apresentar a primeira versão do Banco de Projetos, que vai destinar R$ 375 milhões para licitar projetos executivos de grandes obras estruturais em todas as regiões do Estado. A definição das obras prioritárias está sendo feita por uma força tarefa do Executivo com contribuição da Assembleia Legislativa.

O resultado do trabalho conjunto será anunciado no fim de junho pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior. “O Banco de Projetos contempla obras estruturais, rodovias importantes, hospitais, ferrovias, aeroportos, que vão orientar o Paraná para o futuro”, definiu o chefe da Casa Civil, Guto Silva.

Junto com ele, os secretários da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, e do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge, apresentaram à bancada mapas com as obras rodoviárias previstas, que receberam indicação dos deputados.

Esta primeira versão inclui 100 sugestões do Legislativo que ainda não haviam sido elencadas pelo governo. Mais demandas poderão ser encaminhadas até a próxima sexta-feira, quando começa o trabalho de alinhamento, definição de prazos e redação dos editais.

“Em 10 dias entregaremos aos deputados portfólios detalhados por região, tanto das obras rodoviárias como de outras obras estruturais importantes, para que eles validem e nos ajudem a definir as prioridades dentro dessas obras que já são prioritárias. A ideia é que no final de junho os deputados possam levar as informações dos projetos que serão realizados para suas bases”, explicou Guto Silva.

UNIDADE – Para garantir celeridade ao processo, diversas estruturas do governo foram envolvidas. Segundo o secretário de Planejamento, Valdemar Bernardo Jorge, foi preciso criar um grupo de trabalho com profissionais de várias secretarias e também professores, mestres e doutores das universidades estaduais, para o Estado dar conta da redação de tantos editais. “É um grande esforço do governo para colocar isso em pé. Nós temos unidade e estamos demonstrando isso com a realização desse banco de projetos”, disse ele.

O projeto executivo representa cerca de 5% do valor total da obra e é condição fundamental para que ela seja realizada com sucesso. O objetivo, afirmou Bernardo Jorge, é que a licitação dos projetos comece a ser feita este ano e que algumas obras possam ser iniciadas já no próximo ano, seja com recursos do próprio Estado ou em parceria com a iniciativa privada.

ANEL DE INTEGRAÇÃO – Até mesmo as rodovias que estão sendo negociadas com a União para serem incluídas no pacote de concessões federal terão trechos contemplados no banco de projetos para atender problemas urgentes. Neste caso, o investimento feito pelo Governo do Estado em projetos e em obras vai ajudar baixar as tarifas de pedágio, que já deverão ser no mínimo 50% menores do que as praticadas hoje no Paraná.

“Estamos redesenhando o Anel de Integração, que vai passar de 2.600 quilômetros para 4.100 quilômetros,” disse o secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, acrescentando que antes da entrega das rodovias estaduais ao governo federal a proposta será debatida em audiência pública.

Se aprovada, além dos 2.500 quilômetros do Anel de Integração, a União licitará também a concessão das PRs 323, no Noroeste do Estado, 280, corredor do Sudoeste, e 092, no Norte Pioneiro, a BR-153, conhecida como Transbrasiliana, e os contornos de Londrina, Ponta Grossa e Cascavel.

Sandro Alex também informou que algumas obras não foram incluídas no banco de projetos porque já têm projeto executivo, faltando apenas atualização. Existem, ainda, projetos de infraestrutura importantes que estão sendo negociados nos acordos de leniência em andamento e que serão divulgados assim que forem formalizados e autorizados pela Justiça.



Fale com a Redação

treze + 2 =