Curitiba – Um fenômeno raro vai ocorrer no céu do Brasil nesta segunda-feira (21): a Superlua de Sangue. O evento astronômico será visível a olho nu em Curitiba e no restante do Paraná e chama a atenção justamente pela conjunção de fatores que o torna tão único, já que o eclipse total lunar acontece durante uma superlua, quando o satélite está mais próximo da Terra. Esse tipo de coincidência é tão singular que algo assim só vai se repetir daqui a 18 anos, em janeiro de 2037.

Quem quiser ver o eclipse vai precisar madrugar. A fase preliminar do fenômeno começa à 0h36, mas a sombra passa a sobrepor a Lua à 1h34. O ápice está marcado para às 2h41, quando o satélite da Terra estará totalmente coberto e ficará totalmente avermelhado.

Para assistir ao fenômeno não é necessário usar equipamento ou método de proteção, já que ele não causa problema de visão. Quem tiver binóculo ou telescópio poderá ver a Superlua de Sangue com mais detalhes.

O astrônomo e diretor do Parque da Ciência, Anisio Lasievicz, explica que a lua desta segunda-feira deve ser 10% maior e entre 20% e 25% mais brilhante que o normal. “Superlua é um nome mais bonito para a lua cheia, quando ela está mais próxima da Terra. Assim como a Terra se afasta em alguns momentos do sol, a lua se afasta e se aproxima da Terra”, diz.

O fenômeno deve ser ainda mais interessante pela coloração avermelhada do eclipse. Isso ocorre porque, apesar de a lua ficar na sombra da Terra, uma parcela da luz solar passa pela atmosfera terrestre, que age como um filtro e retira parte da energia da luz. Assim, as cores branca e amarela ficam vermelhas.